15 insights sobre os STORIES

Foto: Ana Lu

Em 2019, a Squid, empresa de marketing de influência, coletou e observou mais de 2 milhões de stories no intuito de entender melhor o comportamento da audiência nesse recurso do Instagram. Algumas das principais conclusões acerca de volume, horários, dias e engajamentos eu reuni na lista abaixo.

1 – O engajamento nos stories não sofre diferenças significativas conforme o horário ou dia da semana no instagram. Ele depende muito mais da audiência do perfil;

2 – As maiores taxas de engajamento são encontradas nos perfis entre 5k e 30k seguidores;

3 – Influenciadores entre 18 e 25 anos engajam mais que influencers de outras faixas etárias;

4 – Segundas e terças, entre 18h e 21h, são os dias com maior número de publicações. Domingo é o menor!

5 – SP, RJ e BA são os estados brasileiros que mais postam stories;

6 – 23h é o horário com o maior número de impressões em quase todos os dias da semana, especialmente às sextas-feiras;

7 – Às quartas-feiras, o pico de visualizações ocorre entre 19h e 22h;

8 – Praticamente 3/4 de todos os conteúdos publicados nos stories são vídeos. Apesar disso, as fotos têm uma média de 25% mais engajamento do que um vídeo;

9 – Mas os vídeos costumam receber menos toques para pular o story do que as imagens;

10 – 92% das imagens nos stories recebem toque para passar pro próximo; já os vídeos, 83%;

11 – Numa sequência, há uma queda média de engajamento de até 30% a partir do quarto story;

12 – O pico de taxa de saída (quando abandonamos os stories do perfil) ocorre mais entre o primeiro e segundo story;

13 – Se o seu seguidor resistiu e chegou até o terceiro story, há grandes chances de ele assistir ao conteúdo até o fim;

14 – Os stories são o canal que mais se aproxima da vida real do influenciador e gera conexão com a sua comunidade;

15 – Os stories permitem que o creator seja mais criativo e gere conversas a partir da gama de ferramentas que o recurso possui.

E por falar em stories, estou por lá também. | https://www.instagram.com/pettersonfarias/

#UmaDicaPorDia | Janeiro e Fevereiro

#UmaDicaPorDia é uma editoria dos meus stories. Nela, até o fim do ano, compartilharei 366 dicas práticas sobre Marketing Digital. E aqui no blog, a cada dois meses, um resumo destas dicas pra facilitar a vida de quem precisa delas.

Abaixo, 15 dicas de janeiro e fevereiro. Pra acompanhar diariamente, só seguir: @pettersonfarias 

1 – Recicle conteúdos antigos

Ei, é perfeitamente aceitável (e a gente até incentiva) reciclar conteúdos antigos, viu?! Não caia nessa de que não se deve reaproveitar postagens… besteira!

Explore, sim, a mesma temática, o mesmo conteúdo em diversos formatos, plataformas e redes sociais. Só assim você vai atingir públicos diferentes e cada vez maiores em momentos diferentes.

2 – Squid para influenciadores

Squid é uma plataforma que conecta creators e marcas, garimpando, filtrando, gerenciando e mensurando trabalhos de Marketing de Influência. Se você é um criador de conteúdos digitais e tem dificuldade para acessar grandes marcas, empresas nacionais, você pode se cadastrar, selecionar as temáticas que aborda nas suas redes e aguardar propostas de marcas interessadas em perfis iguais ao seu. Simples assim!

Acesse: https://app.squidit.com.br

3 – Mostre seu ponto de venda

Use suas redes a seu favor e poste hoje mesmo no feed, nos stories, IGTV e/ou nos destaques seu pdv, sua fachada, salão, interior de loja, estacionamento e todos os espaços físicos do seu negócio. É frustrante para consumidores acostumados a buscar informações na Internet não encontrar dados suficientes para tomar suas decisões de compra.

Entenda de uma vez por todas: as pessoas não têm a obrigação de saber onde você está e é seu dever orientá-las como chegar, tá?!

4 – Datas comemorativas

Datas comemorativas são ótimas abordagens para você conversar de igual pra igual com as pessoas nas redes e estreitar ainda mais seus laços com os consumidores. Portanto, mapeie datas relacionadas ao seu negócio e produza conteúdos sobre elas. Mostre para seus clientes que você tem timing e sabe conversar sobre outras temáticas, ao invés de falar somente sobre seus produtos e serviços.

Mas ó, faça isso de modo criativo. Se for só pra desejar feliz dia, por meio de postagens clichês e desinteressantes, melhor nem fazer.

5 – Curadoria de Conteúdo

Rede Social é compartilhar. Então compartilhe o que é do outro também! Assimile a ideia de que seu conteúdo não é o único interessante na Internet. E é elegante, gentil e generoso dividir com seu público postagens de outras empresas, creators e até (por que não?) da concorrência. Se gostou, não guarde pra si.

Mas, claro, tenha coerência: só compartilhe conteúdos relacionados ao seu negócio e ao seu público.

6 – Compartilhe o que você sabe e as pessoas comprarão o que você vende

Esta é uma boa forma de mostrar ao público o que você tem a oferecer comercialmente, mas de modo sutil, sem ser invasivo e sem pesar a mão. Funciona, mais ou menos, como a amostra grátis no supermercado: ofereça algo de graça para que saibam que você existe, para mostrar porque você é melhor que a concorrência, para despertar o interesse e, por fim, gerar vendas. Já superamos a era da propaganda pela propaganda, em que discursos de autoafirmação, regados a muuuuuitos autoelogios, fisgavam as pessoas. Desacreditamos dessas abordagens, porque o tempo nos provou que muitas marcas, nesse processo, mentiram descaradamente, disfarçaram suas mazelas e nos enganaram. Hoje, se você quer ser visto como o melhor e o maior, como o mais gostoso e mais incrível, vai ter que provar!

O que te faz achar que chama mais atenção postagens insistentes sobre preços, liquidações e queimas de estoque do que conteúdos sobre os valores da marca, seus posicionamentos acerca de causas sociais importantes, dia a dia, memes (por que não?), dicas e informações que podem melhorar ainda mais a minha experiência com produto X e/ou serviço Y?

Claro, há espaço para tudo! Mas se você está propenso a entregar apenas propaganda na timeline alheia, sinto muito, vai continuar falando sozinho. Porque você não se colocou no lugar do consumidor nem sequer perguntou a ele o que ele gosta de consumir na web. Porque você só pensa no próprio umbigo. Porque você é um spam. Putz, você não entendeu nada da brincadeira. Volte dez casas e recomece o jogo!

Antes de enxergar Facebook, Instagram, Twitter ou qualquer outra rede como mero espaço de vendas, onde seu único esforço é impactar pessoas com publicidade, entenda a Internet como plataforma de DIÁLOGO, em que a audiência está muito mais interessada em se entreter, informar-se, educar-se e inspirar-se. Proporcione isso! Seus seguidores naturalmente, em contrapartida, se interessarão pelo que você tem a dizer e vender.

7 – Alcance e Impressões

Alcance: número de contas únicas que viram suas publicações num intervalo de tempo;
Impressões: total de vezes que essas contas únicas viram suas publicações num intervalo de tempo;

Exemplo: nesta semana, meu pai, meu irmão e minha namorada viram minhas publicações, logo, alcancei 3 pessoas.
Cada uma delas viu um post meu no feed e dois stories, logo, tive 9 impressões.

8 – Fale o óbvio

Embora você ache, nem todo mundo sabe o que você sabe, faz e vende. E é seu papel ensinar, informar e educar o público. Portanto, não tenha medo de falar o óbvio. Facilite a vida de quem usa as redes sociais para aprender e agregue valor ao seu negócio a partir de conteúdos consistentes, didáticos e relevantes. Só assim, seu público vai entender e valorizar ainda mais seu produto/serviço e enxergar a importância de consumi-lo. 

9 – Peça licença antes de entrar no whatsapp

E por falar em óbvio: lembre-se, é extremamente mal educado enviar mensagens sem pedir permissão no WhatsApp. Não importa se é fã, cliente ou seguidor, não se comporte como SPAM. Antes de entrar, peça licença!

10 – Economize o ENTER no WhatsApp

Ainda sobre Whatsapp: se a pessoa permitiu que você envie mensagens, ao fazer isto, sempre escreva tudo o que você tem pra dizer e só depois envie. Economize o ENTER, por favor! Não seja aquela pessoa/marca chata que dá ENTER a cada palavra digitada. Ninguém gosta de receber mil notificações, ainda mais quando a mensagem se resume a

‘Oi
Tudo
Bem
?’

11 – Recebido é aposta

Recebidinho é bom e (quase) todo influenciador gosta, né?! Mas mimos não são contratos e quem recebe tem o direito de escolha entre postar ou não. Se compartilhou, ótimo, ponto pra marca. Se não publicou, vida que segue. Vivo brincando, expondo e tocando na ferida de produtores de conteúdo irresponsáveis com o mercado, mas, por outro lado, há diversas empresas conduzindo o relacionamento com esses profissionais de maneira desordenada, sem se dar conta de que há regras e deveres em ambas as partes. 

É possível profissionalizar, minimamente, essa relação a partir do entendimento de que: se eu não contratei ou acertei algo previamente com o influenciador, eu não posso cobrar dele postagem, engajamento e alcance.

 Pouco se pratica esse senso de justiça: de que não devem estar em ponto de igualdade uma marca que se relaciona profundamente com o creator, por anos às vezes, e paga pelo espaço em seu perfil; e outra marca que mal subiu no ônibus, já quer sentar na janela. ‘Mas é só um presentinho’. Não é. É, sim, um investimento de marca por ela saber que pode ganhar visibilidade em troca de um recebido. Porém, que ao praticar essa relação, as empresas entendam que todo influenciador é uma mídia e para ter espaço nela, o buraco é mais embaixo, há acordos, negociações e contratos envolvidos. Muito se fala da banalização de maus comportamentos de alguns influenciadores digitais, mas é preciso falar também de marcas que se acham no direito de colocar preço no trabalho alheio e menosprezar o serviço de gente que, muitas vezes, vive do que posta nas redes sociais.

12 – Identifique seu publipost!

Resista à tentação e aos pedidos de marcas que querem publis mais ‘sutis’, fazendo com que você minta pra sua audiência, fingindo que aquilo foi uma manifestação espontânea, do nada, quando, na verdade, você tem um acordo e um contrato com a empresa.

Sua credibilidade é o seu maior trunfo. Perdê-la por mentira não é uma boa ideia. De acordo com uma pesquisa da Qualibest, de 2019, 78% dos consumidores que seguem influenciadores acham importante sinalizar publipost, por meio de uma hashtag ou algo do tipo. Seja transparente e não pise na bola!

13 – Floodar e Flopar

Floodar: significa postar demais; encher a timeline, o feed, os stories, as redes alheias de informações repetitivas, irrelevantes, enchendo a paciência de todo mundo;
Flopar: ter insucesso, postar algo e alcançar poucas pessoas, não engajar, dar muito errado;

14 – Ouça seus funcionários

O que sua equipe tem pra dizer? Se não sabe, pare pra ouvi-la agora!

Seus funcionários são fontes riquíssimas de informações, que podem te dar insights e ideias para futuros conteúdos. São eles que se relacionam diariamente com seus consumidores e clientes em potencial, lidando com desejos, necessidades, insatisfações e vontades diversos. 

Uma vez por dia, por semana ou por mês, converse com seus colaboradores. Crie grupo no Facebook, no WhatsApp… Estabeleça formas diferentes de escuta, mas jamais deixe de ouvir o que eles têm pra falar. Seu conteúdo agradece!

15 – Tenha paciência

Pouca gente te diz isso, mas trabalho nas redes sociais precisa de paciência. Internet é sobre relacionamento. E toda relação precisa de tempo. Ninguém dá match no Tinder num dia e se casa no dia seguinte, entre um momento e outro, há muita coisa pra acontecer.

Assim é produzir conteúdos e se relacionar com o público na web. Esteja disposto a entregar postagens criativas, a conhecer e ouvir seu público, atendendo suas necessidades e desejos pelo tempo que for que uma hora a coisa vinga, acredita em mim!

Te espero nos stories com mais dicas.
Até lá!
https://www.instagram.com/pettersonfarias/

13 informações importantíssimas sobre o mercado de influência no Brasil

O Marketing de Influência, há tempos, já mostrou seu poder e, hoje, qualquer estratégia que negligencie essa disciplina corre sérios riscos de perder forças.

Os motivos são diversos: marcas sem capilaridade nas redes; consumidores incrédulos diante de estímulos publicitários; e comunidades digitais com lugar de destaque na decisão de compra de seus integrantes. Ou você nunca levou em consideração a opinião de amigos, familiares, pessoas que você admira antes de comprar algo? Pois é. 

Sobre esse tema, a Spark, empresa referência em Marketing de Influência, com o Instituto Qualibest acabaram de divulgar uma pesquisa que respondeu algumas perguntas acerca da receptividade e reação do público em relação aos influenciadores digitais e seus publiposts; e outros hábitos de consumo na web.

Reuni 13 itens valiosos da pesquisa nesse post. Espero que eles te ajudem nas tuas próximas ações com creators/influenciadores digitais. Boa leitura!

SOBRE INFLUÊNCIA

1 – 71% dos internautas brasileiros que usam redes sociais segue influenciadores

2 – 63%  gostam que os influenciadores recomendem produtos

3 – 50% costumam pesquisar opinião de influenciadores antes de comprar

4 – 72% discordam que a confiança em publipost cai

5 – 76% já compraram algo depois da indicação de um influenciador digital

6 – 78% dos seguidores considera importante que o influenciador identifique publis com hashtags como: #publi #ad #promo #publipost

7 – Onde os brasileiros mais seguem influenciadores:

> Youtube – 81%

> Instagram – 81%

> Facebook – 49%

> Twitter – 24%

8 – E porque seguem influenciadores digitais:

> 69% – os assuntos que eles abordam me interessam

> 56% – indicações e recomendações de produtos e serviços que eles dão 

> 54% – para me divertir/passar o tempo

> 50% – os tutoriais, construir coisas

> 43% – experiências pessoais deles/ seu dia a dia

> 33% – me ajuda a dominar os assuntos que eles abordam

> 28% – as viagens que fazem ou indicam

> 25% – para me desenvolver pessoal e/ou profissionalmente

HÁBITOS DE CONSUMO

9 – Maiores INTERESSES dos seguidores em conteúdos de influenciadores

> Humor/Comédia
> Entretenimento/Cultura
> Beleza
> Moda
> Viagem/Turismo
> Saúde/Fitness

10 – No Instagram, Feed e Stories têm igual preferência

> Feed: 48%
> Stories: 45%
> IGTV: 7%

11 – 41% dos seguidores só ativam o áudio dos stories se as imagens interessarem

12 – Itens mais comprados por indicação dos influenciadores (público de homens e mulheres juntos)

> Produtos de beleza (52%)
> Livros (42%)
> Moda e acessórios (42%)

13 – Sobre a CONFIANÇA do público

AUMENTA quando:

83% – o influenciador é natural e verdadeiro (mostra seu dia a dia como realmente é/defende seus ideais)

82% – Domina os assuntos que aborda

79% – Indica e avalia produtos com base em suas experiências reais

75% – Interage com seguidores

68% – Tem bom humor/é divertido

DIMINUI quando:

74% – faz comentários/atitudes racistas ou preconceituosas (no presente e no passado)

14 – Principais razões para unfollow em influenciadores digitais:

> Conteúdo deixou de ser relevante

> Ficou chato/sem graça

> Mudou de personalidade/temas abordados

> Parecia um vendedor, não era autêntico nas suas indicações de produtos/serviços

> Era preconceituoso

> Falava muito palavrão/ofendia as pessoas

Rafael Coca, da Spark, apresentando a pesquisa no Youpix Summit, em SP

De acordo com a Spark e Qualibest, a partir desses números, duas conclusões são importantíssimas:

1 – É fundamental ser natural e demonstrar domínio do assunto abordado!
2 – #publi não espanta seguidor nem retrai engajamento

Se você gostou, compartilhe com o coleguinha!
Estas e outras informações sobre redes sociais e comportamento web, tem aqui também: https://www.instagram.com/pettersonfarias/

Melhore seus stories: 14 dicas que podem te ajudar

É inegável a importância dos STORIES em qualquer estratégia de comunicação digital hoje em dia. Muitas vezes com o seu alcance equiparado ao das postagens no feed, esse recurso do Instagram segue sendo uma boa opção para atingir e conversar com seu público. E como ser ainda mais interessante e relevante nas fotos e vídeos verticais que duram 24 horas? Eu te ajudo com algumas dicas.

1 – Vá direto ao ponto!

Os stories têm curta duração e não é por acaso: a atenção das pessoas está escassa e é disputada por milhares de conteúdos diários na Internet. Se você quer fisgar alguém, não enrole! Já aborde o assunto que você quer na primeira imagem (ou vídeo) e não entre nessa de criar expectativa em 4, 5 vídeos, porque nesse intervalo, a pessoa pode perder o interesse e te deixar falando sozinho.

2 – Seja sucinto!

Assim como é importante ir direto ao ponto, é necessário também ser sucinto. Se o assunto pede 4 stories, não há motivos para você se estender por outros dez. Mesmo que você ame e domine o tema abordado, fale o indispensável e se mantenha interessante do início ao fim, ao invés de cansar quem está te vendo. Em alguns casos, escrever e ensaiar o que você quer dizer, pode ajudar.

PS: Não há uma quantidade ideal de stories. Eles têm que durar o tempo que o conteúdo pedir.

3 – Cuidado com as mãos

Elas podem roubar o seu protagonismo e desviar a atenção dos seus seguidores. Enquanto você estiver falando pra câmera, mostre as mãos o mínimo possível. Se for difícil no começo, tente prendê-las na cintura, rs.

4 – Centralize seus textos

O seu celular não é, necessariamente, o mesmo de quem te segue, por isso, evite textos nas extremidades dos seus stories. Por mais que esteja tudo certinho na sua tela, na do coleguinha as frases podem estar cortadas e as palavras podem estar aparecendo pela metade. Portanto, textos centrais sempre.

5 –  Fale pra fora!

Não sussurre, fale num tom razoável para que as pessoas te ouçam. Mas é pra gritar? Não, meu anjo, não tem necessidade, até porque muita gente assiste aos seus stories com o fone no volume máximo. Porém, falar baixo demais pode deixar seus stories monótonos e desinteressantes.

6 – Variar é importante

E por falar em monotonia, os stories nos oferecem diversos recursos e possibilidades justamente para que a gente use a criatividade e surpreenda nossa audiência com conteúdos diferentes e originais. Então que tal sair da zona de conforto e testar estes formatos? Revezar fotos e vídeos; alternar stories em que você aparece e vídeos do ambiente em que você está; usar trilhas e ferramentas de interação são algumas das formas de você não cansar e surpreender os seus seguidores.

7 – Não abuse do Zoom

O zoom tem um efeito legal para momentos de surpresa, suspense e pausas dramáticas, por exemplo, mas não abuse do recurso! Isso pode deixar seu conteúdo chato e o seguidor zonzo. Aliás, como eu disse, variar é importante, portanto, abusar de qualquer recurso nos stories não vai te ajudar em nada.

8 – Não deixe sobras no início e fim dos seus vídeos

Iniciar e encerrar o vídeo falando torna seu conteúdo mais dinâmico e dá menos chances ao seu seguidor de ele desviar a atenção. Se a sua frase durou 5 segundos, não espere chegar em 10 pra parar de gravar. Quanto menos sobras no início e no fim, melhor. E outra: as pessoas tendem a pular stories em que elas já adivinharam o que você queria mostrar ou dizer. Por isso, rapidez e criatividade para surpreender sempre!

9 – Não fale RÍSTORIS

O correto é ISTÓRIS. ❤

10 – Use as ferramentas do próprio Story

  • Localização

Além de dizer ao seu público por onde você anda, a localização te ajuda a alcançar pessoas que não te seguem, mas que se interessam pelo lugar em que você está, aumentando assim seus views.

  • Menção

Marque as pessoas que aparecem nos seus stories. Elas podem compartilhar seu conteúdo, fazendo assim você aparecer para mais gente também.

  • Perguntas e Enquete

Ao usar esses recursos, além de despertar nos seguidores o interesse de interagir, você pode concentrar num só lugar todas as respostas sobre determinado assunto. Enquete eu recomendo para perguntas de múltipla escolha, algo mais direto. Perguntas eu recomendo para aqueles momentos em que você necessitar de respostas mais elaboradas.

PS: diferente das mensagens do seu direct, respostas da Enquete e Perguntas somem em 24 horas.

  • GIF

Para tornar seus stories mais atrativos e divertidos, você pode usar os gifs disponíveis também.

11 – Use o Spotify

Caso queira usar trilha nos seus vídeos, uma forma de fazer isso sem ter que editar em outro aplicativo, é dar play na música dentro do Spotify e, em seguida, ir para o Instagram gravar seu story com a faixa tocando.

12 – Não enfeite demais

Editar fotos e vídeos pode ser legal em momentos específicos, mas se permita também postar stories menos elaborados e sem edição de vez em quando, porque conteúdos rebuscados demais podem passar a ideia ao seu público de algo muito publicitário, feito somente para vender, ou seja, tudo o que a gente não quer nas redes sociais.

13 – Seja humano!

Planeje o melhor conteúdo, tenha senso estético e muito cuidado com as imagens e temáticas dos seus stories, mas jamais abandone o seu lado humano. Vulnerabilize-se. Não há a menor necessidade de você aparecer sempre perfeitinho no vídeo, isso pode até afastar seus seguidores. Eles querem seguir pessoas reais. Então se permita mostrar seu lado humano: seus perrengues, seus altos e baixos, conquistas, mas erros e tropeços também. Claro, sempre respeitando sua privacidade. Não se esqueça: sua audiência segue sua vida como se fosse uma novela.

14 – Apps que me ajudam a editar stories

  • Perfect Video

Absolutamente todos os meus vídeos são editados nesse aplicativo, inclusive aqueles stories com imagens sobrepostas.

  • Canva

O Canva te ajuda em praticamente tudo nessa vida – de slides à cartazes -, até a fazer stories mais elaborados, com intervenções visuais, gráficas e textuais.

  • Picsart

Geralmente, eu uso o picsart pra fazer colagem de imagens e/ou sobrepor uma imagem na outra, quando quero, por exemplo, inserir um logotipo na foto. Assim como o Canva, ele pode te ajudar também.

  • Camcorder

Sabe aquele filtro de VHS, que envelhece os stories alheios? Pois é, você pode fazer isso também usando o Camcorder.

  • Vscocam, Snapseed e filtros do Iphone

Algumas pessoas se preocupam em editar imagens até pra postar nos stories e não se contentam com os filtros que a ferramenta disponibiliza. Se você é uma dessas pessoas, você pode usar o vscocam, o snapseed ou os filtros do próprio iphone pra isso.

Eu espero que essas dicas te ajudem de alguma forma. Se quiser contribuir com a lista também, fique à vontade, eu vou amar. Pra me acompanhar nos stories, só clicar aqui ou procurar por instagram.com/pettersonfarias. Beijo

10 stories que eu amo assistir

O Story é um dos principais atrativos do Instagram e prende uma parcela enorme dos usuários pela criatividade, originalidade e relevância dos seus conteúdos, feitos por creators empenhados em trocar experiências, compartilhar seu dia a dia e inspirar pessoas. 10 dos meus preferidos HOJE estão nessa lista, feita de gente que não transforma seus vídeos de 15 segundos em uma sequência desnecessária de publiposts e pratica os quatro verbinhos essenciais de um bom conteúdo digital: ENTRETER, INSPIRAR, EDUCAR e INFORMAR. ❤

Também estou nos stories, quem quiser acompanhar, só clicar aqui.

1 – HÉLDER MOITA
Humor, memes e música

O Hélder é o maior garoto-propaganda do Eurovision que os Supermercados Guanabara já viram. É de Belém, mas mora no RJ e passa o dia inteiro que Deus dá xoxando cantoras teen com memes da webdiva Tulla Luana. É o verdadeiro lixo da internet que eu amo assistir, porque só ele consegue misturar em 15 segundos referências do k-pop com vídeos d’A Fazenda, falas do Clodovil e ainda militar usando cenas do Big Brother Brasil. Sim, os stories dele são pra esquizofrênicos!

2 – GÉSSYCKA GINO
Humor, lifestyle, regionalismo paraense e moda

Modelo paraense, fã número um do Michael Jackson e filha da Gina Lobrista, já começa por aí! Entre uma dancinha e outra com muitas palmas e língua pra fora, a Géssycka faz dos stories seu diário e compartilha todos os detalhes da sua vida, com muito humor, viado, festa, grito e baixaria, tudo que a gente ama nesse mundo. Por entender que só se vive uma vez, ela não economiza na quantidade de stories, tem dia que é preciso pedir folga no trabalho pra acompanhar a rotina dela.

3 – BRUNA FEIA
Shades, gatos, memes e vacilos amorosos

Bruna é a rainha do insulto e não só ama perder o amigo pra não perder a piada como vários deles já quiseram bater nela um dia. Seus stories não são recomendados pra alérgicos por motivos de: só pelo de gato. Mas mesmo morando numa aldeia, ela consegue sustentar sua audiência com memes duvidosos, receitas que só ela experimenta (jurando que estão gostosas) e vacilos amorosos, um dos quadros semanais mais esperados no perfil dela.

4 – RAPHA LIMA
Rio de Janeiro, vida noturna, humor e baixaria

O Rapha é DJ, desbocado e ursão (ui!). Quando viaja, é viciado em achar coincidências entre grandes centros do mundo e o Rio de Janeiro. Debocha de tudo, se apropria de gírias gays e faz rir com seus stories, sempre carregados com aquele bom sotaque carioca. É amigo dos famosos, está sempre muito bem acompanhado, mas não perde a oportunidade de mandar um belo FODASSE pras convenções sociais. É legal assisti-lo!

5 – NAY D’OLIVEIRA
Bordões, maquiagem, humor e lifestyle

Naydo é bacharel em bordões e mestre em seleção de staff. Se você perdeu a temporada passada, já foi, o que te resta é ficar atento ao elenco e às frases mais usadas nos episódios recentes da vida dela. Linda, Linda, Linda e amiga de Belém inteira, não tem um dia comum nos stories da Nayanas, porque absolutamente tudo vira conteúdo. Entre os vídeos e fotos de humor, tem ainda dicas de maquiagem, amigos magia, diários de bordo e tentativas quase frustradas de ser musa fitness.

6 – CARLINHOS MAIA
Humor, vila, sotaque nordestino e histórias de vida

Vai que você esteve congelado nos últimos 2 anos e não saiba quem é Carlinhos Maia… Beleza, eu te explico. O alagoano tem um dos stories mais assistidos no mundo, que vivem de mostrar os personagens reais da sua vila, com muita graça e emoção. Ele é o grande maestro de uma narrativa que mistura histórias de superação, gente de verdade e stories pra gritar de rir. Carlinhos é outro que não economiza na hora de gravar, então esteja preparado pra gastar todo seu 4G assistindo pelo menos metade de um dia na vida dele. Vale a pena!

7 – CAIO BRAZ
Informação, moda, viagens, lifestyle e política

Caio tem um dos stories mais legais da paróquia, porque ele consegue prender a gente pela diversidade de temas interessantes, que vão desde bastidores de TV à saúde pública, passando por debates importantes, informações necessárias, baixarias não tão necessárias assim e ótimas dicas de moda e viagens. É pernambucano, mora no Rio de Janeiro e vive viajando. Pra mim, é um dos grandes retratos do creator atual, que mistura originalidade, relevância, criatividade e vanguardismo em seus conteúdos da melhor forma possível.

STORIES QUE EU AMO ACOMPANHAR QUANDO ESTÃO EM VIAGEM

8 – NAIANA GABY
Diário de bordo, São Paulo e gastronomia

Eu simplesmente amo quando a Naiana viaja. A vontade é de vender tudo dentro de casa e viajar junto com ela. Seus stories ficam especialmente legais quando ela vai pra algum lugar, porque ela dosa muito bem informações úteis e conteúdos que te inspiram. É muito bom de ver. No seu dia a dia, ela ainda mapeia os melhores lugares pra se comer em São Paulo e divide com a gente os bastidores do canal Cansei de Miojo, que ela produz junto com o Rafa.

9 – CAIO TRAVELS
Diário de bordo

O perfil do Caio no Instagram se propõe a isso mesmo: a dividir com seus seguidores todos os detalhes de uma viagem incrível, não importa se pra Amazônia ou pra Dubai. Ele compartilha tudo de uma forma leve, didática, curiosa e muito inspiradora também. Eu amo acompanhar!

10 – PAULA MARTINS
Diário de bordo, humor, cachorros e relacionamento

Tia Paula deveria cobrar ingresso pra assistirem aos stories dela quando viaja, porque são muito bons. O humor que já é marca registrada fica ainda melhor com as caboquices que ela apronta mundo afora. Perrengues e curiosidades que ninguém conta, ela faz questão de mostrar. Que Deus te dê muito publi, mana, pra gente sempre te ouvir gritando CARALHO, EU TÔ NA GRÉCIA!