Respeite o unfollow alheio

Sim, eu sei que a gente se chateia quando alguém que admiramos/gostamos nos dá unfollow ou quando perdemos seguidores em massa, afinal, produzimos conteúdos para atrair, agradar e apaixonar amigos, clientes e fãs, não afastá-los. Mas se isso acontece, ao invés de reclamar ou abordar as pessoas individualmente, numa tentativa de questioná-las acerca dos motivos, opte pela autoanálise, olhe para dentro e repense seus conteúdos, suas editorias, seus formatos. 🙃

O uso da rede social é egoísta mesmo: entramos aqui para satisfazer as NOSSAS necessidades, tirar as NOSSAS dúvidas, buscar informações para o NOSSO proveito, inspirar as NOSSAS vidas. E se você não oferece isso pra quem te segue, infelizmente, as pessoas não vão durar.

A tentativa de melhorar é genuína e deve existir, mas sem abordagens individuais com quem nunca firmou um pacto de follow perpétuo com você. 🤝

✅ abra caixinhas de perguntas para os seguidores sugerirem novos temas e formatos;


✅ observe seus comentários e direct para saber quais são as grandes dúvidas da audiência;


✅ busque referências;


✅ crie novas editorias e saia da monotonia;


✅ não abuse do recurso: uma hora o mesmo bordão/formato pode enjoar!


✅ estude Marketing de Conteúdo;

Resista à vontade de constranger o outro por causa de um unfollow inesperado. Quer saber? Às vezes, é mais sobre ele do que sobre você: mudaram os interesses, as buscas agora são outras e seus conteúdos, mesmo sendo muito bons, já não os satisfazem. Há algo errado nisso? De maneira nenhuma.

Paz! 

Também estou no https://www.instagram.com/pettersonfarias/

“O TikTok não é pra mim…”

🗣 CALMA! 🗣 

✨nada contra quem faz dancinhas e dublagens no TikTok, inclusive faço✨

Mas esse post é só pra te lembrar que a rede social dos vídeos rápidos e trends divertidas não se resume a estes formatos; pelo contrário, tem muuuuita gente criando conteúdos originais, divertidos, úteis e relevantes lá, cada um na sua linguagem, no seu jeito. E você pode fazer isso também! 

O TikTok cresceu absurdamente no Brasil no último ano e tem sido mais um importante canal pra produtores de conteúdos e negócios que querem construir uma marca forte na Internet. 

Tem gente compartilhando receitas, dando dicas de moda, fazendo tutoriais de vídeos, conversando sobre saúde mental, analisando voz de cantores, comentando realities shows, enaltecendo a Amazônia, divulgando novidades do Marketing Digital, discutindo causas importantes… Ih, o que não falta é conteúdo interessante! 

Baixe o app, observe, pesquise, consuma conteúdos e se inspire! Também estou lá, só procurar por pettersonfarias 🙃🤝

(Ah, e se quiser ficar nas dancinhas e dublagens, tá tudo bem também)

Crise nas redes sociais: o que não fazer?

Crise é um negócio difícil mesmo, não é?! E a gente morre de medo de passar por uma, eu sei. Porém, mesmo não estando em uma agora (jogue suas mãos para os céus e agradeça), estuda-las é uma estratégia importante para sofrermos danos menores se um dia elas acontecerem. 

Veja abaixo algumas dicas importantes sobre como NÃO se comportar em uma crise digital:

1 – DEMORAR PARA RESPONDER

Óbvio que não incentivo comportamentos precipitados, sem estudo prévio da situação, aumentando assim as chances de agravar ainda mais a crise; mas é preciso agir rápido. Quanto mais você demora, mais margem você dá para fake news, inquietação da audiência e boatos nas redes sociais. Ao menor sinal de crise, comece a observá-la, acione a equipe e comece a trabalhar.

2 – NÃO PEDIR DESCULPAS

Ao se manifestar, peça desculpas. Sabemos que ninguém erra querendo errar, muito menos você. Mas se o problema surgiu e a crise aconteceu, durante a sua gestão, sua marca vai lidar com um grupo de pessoas extremamente irritado e insatisfeito e só reconhecendo o seu erro é que você será capaz de acalmar os ânimos, iniciar um diálogo e encerrar a crise da melhor maneira.

3 – ISENTAR-SE E CULPAR A AUDIÊNCIA PELO MAL-ENTENDIDO

Ao interagir com a audiência, não adianta se esconder por trás de boas intenções, tentando se isentar da culpa. Algo deu errado e ponto: você precisa arcar com as suas responsabilidades e jogar a culpa para a audiência, por meio de discursos como “vocês que não entenderam” e “não foi isso que eu quis dizer”, só vai piorar a situação.

4 – RESSALTAR APENAS SUAS QUALIDADES E TRAJETÓRIA

Não use notas oficiais SOMENTE para falar de si. “Se a sua carreira não te impediu de cometer esse erro, não é sobre ele que eu quero conversar agora, compreende?”. Num momento de fúria coletiva, o que menos os seguidores e clientes querem saber é quantos anos você tem de mercado e quantos prêmios tem na sua estante, mas sobre o que toda essa experiência pode fazer pra contornar a situação difícil. 

5 – NÃO ESTUDAR A CRISE QUANDO ELA ACABA

Por fim, o ciclo de uma crise só se encerra favorável ao seu negócio se você e a sua equipe estiverem dispostos a conversar sobre. Caso não dediquem um tempo para analisar os motivos, as fontes nem a condução desse momento ruim, ninguém vai aprender nada e quando uma nova crise aparecer, vocês continuarão insistindo nos mesmos erros. Portanto, estude a crise!

Dicas como estas, aqui: https://www.instagram.com/pettersonfarias/

Quanto custa?

Orientar sua comunicação nas redes sociais; encontrar a missão dos seus conteúdos digitais; fazê-los harmonizar com a sua comunicação off-line; definir os objetivos da sua marca na web; desenvolver editorias criativas e relevantes; estabelecer um Marketing Onicanal (em diversas redes); definir dias e horários de postagens; transformar os assuntos do momento em possibilidades de diálogo com seus clientes; aprovar publicações com gestores que rechaçam redes sociais; convencer seus funcionários que a comunicação digital é importante; responder seguidores; aturar haters; relacionar-se com a sua audiência pelos comentários, directs, e-mails, whatsapp; avaliar resultados; fazer Marketing de Influência; introduzir sua empresa nas rodinhas de conversa da Internet; e fortalecer a sua presença no ambiente digital usando meu celular, minha câmera, minha energia elétrica e meu 4G por 300,00? 

NÃO, NÉ?!

Não entendi!

Falas difíceis e termos técnicos em demasia podem mais distanciar você do seu público do que criar um bom relacionamento entre vocês, sabia?

Não é forçando um comunicação altamente rebuscada que você vai mostrar para as pessoas que tem propriedade para falar sobre determinado assunto, pelo contrário, vai apenas soar arrogante, soberbo e distante.

Colocar-se em ponto de igualdade com a sua audiência, falando a sua língua e oferecendo conteúdos capazes de explicar o que é óbvio pra você, mas não é óbvio pra ela, é o que vai te levar a um nível mais profundo de conexão com o seu público. 

Seja acessível. Tire dúvidas. Fale fácil.

Estou no: https://www.instagram.com/pettersonfarias/

O que aprendemos com Gabriel García Márquez e podemos aplicar nas redes sociais

Em março de 1927 nascia um dos maiores escritores da América Latina e sua obra, até hoje, inspira leitores por todo o mundo. Gabriel García Márquez foi o grande responsável pelo meu amor literário e seus livros têm me ensinado bastante, inclusive, na minha produção de conteúdos digitais.

Abaixo, algumas dicas baseadas em sua vida e obra.

1 – Crie a sua Macondo!

2 – Gabito ouviu seus avós e deu no que deu…

As histórias dos avós de Gabo tiveram forte influência na sua obra e foi a partir dos relatos amorosos dos seus pais que o colombiano escreveu O Amor nos Tempos do Cólera.

Seja um bom ouvinte também! Escute as histórias, sugestões, críticas e depoimentos dos seus seguidores e aprenda com cada um deles. Só assim você vai produzir conteúdos cada vez mais úteis e relevantes para a sua audiência.

3 – O mundo inteiro se apaixonou pela Colômbia de Gabriel

Enquanto você acha que pra ter relevância na Internet é preciso ser global, a obra de García Márquez segue nos provando que o regionalismo, usado de forma leve e criativa, pode ser um ótimo aliado.

Não ignore seus costumes, sotaques e culturas. Ninguém melhor que você pra falar do lugar em que você vive, hein?!

O que aprendemos com o BBB 21 e podemos aplicar nas redes

4 – Comece agora e com o que tem!

Quando Gabo concluiu Cem Anos de Solidão, sua obra mais importante, o escritor não tinha dinheiro para enviar os originais ao seu editor. Enviou apenas metade do romance. Hoje, o livro já vendeu milhões de exemplares e foi traduzido para 36 línguas.

Entenda: o momento ideal nunca vai chegar e você precisa construir sua marca na Internet hoje mesmo.

5 – Paciência!

Gostou? Mais dicas lá no: https://www.instagram.com/pettersonfarias/
Obrigado por tanto, Gabo! 

Recebidinho é flerte!

Sim, meus senhores! Presentinho é bom e todo mundo gosta. Mas esse post não é sobre isso! É sobre empresas que enxergam envio de mimos para influenciadores como compromisso, quando, na verdade, não é.

Compromisso o influenciador tem é com empresas e negócios que assumem a parada, sabe? Com quem chama pra conversar, propõe criação colaborativa, discute contrapartidas, faz acordos, assina contratos, respeita o trabalho do outro. Aí sim é relacionamento sério, com cada uma das partes sabendo dos seus direitos e deveres e ambas com total liberdade pra cobrar ações, retornos, relatórios e afins.

Mimo, não… Mimo é flerte. Pode dar Match, como pode não dar. É beijo na balada. É aquela prospecção marota, não casamento. E enquanto empresa e influenciador não assumem namoro, cá entre nós, ninguém é obrigado a nada. Nem a marca de dar o que não quer nem o creator de fazer o que não deseja.

Acha estratégico presentear alguém? Tá errado, não. Mimos são ótimas portas de entrada pra um bom Marketing de Influência, pra relações verdadeiras e futuras entre negócios e produtores de conteúdos. O erro, amigos, está em pular etapas e cobrar antes de firmar compromissos, achando que sua marca é dona do conteúdo alheio por causa de uma caixinha bonita e recheada de produtos. Definitivamente, não é! 

Admira o trabalho de um influenciador digital e acha que ele pode contribuir para o seu negócio? Não viva de flertes eternos, antes que a sua concorrência o roube de você, chegue junto, peça em namoro e sejam felizes para sempre. 

Sou social media, não super-herói!

Pra começar, não estou dizendo que a sua intenção é, de fato, desvalorizar o trabalho alheio, mas, às vezes, é como soa, é como o mercado entende. 

Exigir que um profissional execute o trabalho de vários, como se ele fosse uma agência, uma lenda, uma máquina, e pior, querendo pagar o mínimo só vai te distanciar dos bons e comunicar ao mundo o quanto sua marca é mesquinha, leviana e desonesta nos seus processos.

Portanto, se você quer construir uma marca forte, interessante e honesta, respeitada por todos no mercado, cuide dos seus bastidores também. E jogue limpo!

Pague o quanto vale, o resultado é incrível! ❤️

Ps: este perfil também acredita em negociações, parcerias e descontos. Desde que ambos os lados estejam satisfeitos, claro.

Estou aqui: https://www.instagram.com/pettersonfarias/

Amigos, amigos, negócios à parte!

Aquele ditado, né?! Amigos, amigos, negócios à parte. E tá tudo bem!

Sei que frustra, muitas vezes, seus amigos e familiares serem os últimos a valorizar o seu trabalho na Internet, mas saiba, isso não acontece só com você e é mais comum do que se pensa. Por isso, ter a consciência de que seus conteúdos e negócios não são pra eles é essencial na hora de se comunicar nas redes sociais. 🤳🏾

👉🏿 PRODUZA PARA QUEM É SEU PÚBLICO-ALVO!
👉🏿 SATISFAÇA AS NECESSIDADES DE QUEM CONSOME E VALORIZA SEU TRABALHO!

Se seus amigos vão curtir, comentar, compartilhar, engajar, incrível!
Se não vão fazer nada disso, vida que segue!
O mais importante é e sempre será agradar e atingir o seu alvo: pessoas e negócios que são potenciais consumidores dos seus produtos e serviços, porque são eles os verdadeiros mantenedores da sua marca, dentro e fora da Internet. 😉

VENDE-SE!

Rede social é ambiente de entretenimento, inspiração, informação e diálogo também. Sua marca precisa estar disposta a entregar conteúdos que satisfaçam necessidades, tirem dúvidas, eduquem e entretenham as pessoas e, para além da mera venda, sejam capazes de atrair a atenção e criar relacionamentos profundos e duradouros com as pessoas.

Usar as mídias digitais APENAS para falar dos seus produtos e serviços, ao invés de gerar vendas, vai soar desespero e afastar ainda mais as pessoas do seu perfil.

👉🏾 NÃO SEJA UMA MARCA QUE OLHA APENAS PARA O PRÓPRIO UMBIGO 👈🏾

É possível falar sobre outros assuntos – o ideal é que sejam relacionados ao universo da marca, claro -; brincar com memes; conversar sobre os temas que estão bombando na Internet; sair do protagonismo e se comunicar da melhor maneira sem querer empurrar goela abaixo o que você tem pra vender a todo instante. 

Mais dicas como estas aqui: https://www.instagram.com/pettersonfarias/