Entretenimento com diversidade: 8 dicas de conteúdos LGBT


No mês do Orgulho, eu compartilho com vocês algumas opções de diversão e entretenimento produzidas por pessoas gays, drags, trans, e que nos abrem o universo LGBT de um modo lúdico, engraçado, informativo, lindo e emocionante. Se você ainda não consumiu alguns desses conteúdos, a hora é agora!

1 – Literatura | O Fim do Armário

Bruno Bimbi é ativista e profundo conhecedor da história e da causa gay. Integrou a Federação LGBT que lutou pelo casamento igualitário na Argentina e é autor de O Fim do Armário. Topei com esse livro sem querer, procurando novidades na prateleira da livraria e trouxe pra casa. Belo acerto! Além de abordar camadas das nossas vidas de forma lúcida e didática, como as descobertas, o bullying, o próprio armário; Bimbi traz à tona aspectos políticos, narra como a homossexualidade é tratada em países do Oriente Médio, África, Europa e América; corrige conceitos e nos faz refletir sobre nosso papel nessa luta. Sim, é um livro empoderador (embora muitos rejeitem esse termo). Terminei bem feliz. A parte mais delicada é a que fala sobre as igrejas católica e evangélica, talvez você não goste do que vai ler lá! Mas é o que precisa ser dito e recomendo muitíssimo!

2 – Literatura | Garota Dinamarquesa

O livro é um recorte lindo e sensível da vida de uma mulher trans, que, ainda nos anos 20, enfrentou o medo, a falta de informação e o preconceito pra ser o que queria ser: Lili Elba. Inspirada em uma história real, a obra é maravilhosa, poética e poderosa. Pra mim, só peca nas partes demasiadamente descritivas, que quebram a narrativa, muitas vezes, apenas pra descrever o uniforme da atendente, por exemplo. Mas é lindo, curioso e arrebatador.

A Garota Dinamarquesa ganhou o prêmio Literário Lambda de 2000 na categoria de Ficção Transgênero e virou filme também.

3 – Literatura | Me Chame Pelo Seu Nome

‘É a primeira lembrança que tenho dele, e parece que ainda hoje consigo ouvi-lo. Até depois! Fecho os olhos e estou de volta à Itália, observando-o sair do táxi com uma camisa azul esvoaçante, óculos escuros, muita pele à mostra’. Esse livro do André Aciman me impactou demais. Nada mexia tanto comigo desde ‘Travessuras da Menina Má’ e ‘Precisamos Falar Sobre o Kevin’. Que história mais sensível, quente e incrível. Oliver e Elio, um descobrindo no corpo e na alma do outro todas as nuances de um amor potente, entre dois iguais, no interior da Itália. As sentimentalidades escondidas querendo explodir; as descobertas sexuais; os altos e baixos de um coração confuso; o amor tímido; os diálogos de dois apaixonados; a viagem para Roma; tudo isso fez de ‘Me Chame Pelo Seu Nome’ um dos livros mais lindos que já li. Está no meu Top 3, sem dúvida alguma. É uma obra delicada, mas sem ser clichê. Retrata lindamente o primeiro amor na vida de um gay: as dúvidas, os medos, as angústias, os sentimentos ditos nos gestos mais sutis, como o pé de um enterrado no pé do outro por baixo da mesa, absolutamente tudo, ilustração fiel do que um dia já vivemos ou ainda vamos viver. ‘Você vai me matar se parar’.

4 – Talent Show | Rupaul’s Drag Race

Confesso que demorei bastante até dar uma chance pra essa que é uma das disputas mais aclamadas pelos gays de todo o mundo. Mas depois que peguei gosto, já me peguei revendo todas as temporadas só pra matar a saudade dos lipsyncs (dublagens) que eu gosto. ❤ O reality consiste na disputa entre drags pelo título de próxima drag superstar da América. E em cada episódio, as competidoras participam de gincanas e provas onde são testadas suas habilidades em canto, dança, costura, talento, humor e personalidade. 

Em 11 temporadas, o programa não só abriu o universo drag para todos nós, como segue compartilhando histórias, acontecimentos, experiências, gírias, curiosidades, personagens, dificuldades e avanços de toda a comunidade LGBT mundo afora. Em meio à competição, a gente se familiariza com dores alheias, cria empatia, conhece aqueles que vieram antes da gente, entende muito mais nossas lutas e ainda se diverte! Não estranhe se você chorar e gargalhar no mesmo episódio, isso, não raro, acontece. 

5 – Série | Queer Eye

Disponível na Netflix, a nova versão da série Queer Eye reúne 5 gays talentosos (Fab Five), cada um na sua área, para organizar e transformar a vida de alguém. Em 3 temporadas, o time já conciliou relações, arrumou casas, reformou igrejas, aconselhou pessoas, renovou guarda-roupas e ajudou até gay a sair do armário. A cada episódio, diversos insights sobre moda, gastronomia, comportamento, cultura, design e cuidados pessoais. É mais um programa para se divertir, mas também se emocionar com lindas histórias de vida e seres humanos incríveis. 

6 – Série | Crônicas de San Francisco

A série, também disponível na Netflix, é baseada na obra literária de Armistead Maupin e traz para o protagonismo a comunidade LGBTQ que reside na pensão de Barbary Lane, espécie de porto seguro comandado pela transexual Anna Madrigal, em San Francisco. Seus episódios retratam lindamente histórias, romances, frustrações, intimidades e intrigas dos seus personagens e de forma super natural, passando longe de romantizações e caricaturas tão comuns em obras como esta. Sem generalizações, a trama aborda questões delicadas e discute diversos temas que envolvem pessoas queer. Uma das coisas que mais me agradaram na série foi o conflito de gerações, que ocorre sem, necessariamente, demonizar nenhuma das partes. O quarto episódio é um dos meus preferidos!

7 – Documentário | Revolta de Stonewall

Stonewall é um pub símbolo das primeiras lutas LGBT nos Estados Unidos. Numa época em que  a homossexualidade ainda era encarada como doença e os gays se escondiam em becos, ‘inferninhos’ e bares proibidos, Stonewall recebia toda essa gente marginalizada e, por isso, sofria constantes ataques e batidas da polícia de Nova York. Em junho de 1969, numa dessas abordagens, a comunidade ali presente, já cansada de sofrer repressões, resolveu reagir e encarar a polícia. A partir dali, aquelas pessoas compreenderam a força que tinham enquanto grupo e passaram a se organizar em encontros, manifestações e em outras lutas, que tempos depois desencadearam a Parada do Orgulho. 

Nesse doc, disponível no Youtube, há diversos testemunhos e relatos que ajudam a contar como tudo aconteceu. 

8 – Filme | Hoje eu Quero Voltar Sozinho

Filme brasileiro e super fofinho, que narra aquele amor juvenil que todos nós já tivemos um dia. Leonardo é um adolescente cego que encontra em Gabriel, seu novo colega de escola, a fonte de todas as suas descobertas amorosas e sexuais. Obra delicada, trilha ótima, narrativa gostosa, que fala sobre os medos, dilemas e sentimentos que permeiam a vida de muitos jovens gays e com as quais você vai se identificar com toda certeza. Filme pra ver e rever sempre!

 

Também estou no Instagram:
instagram.com/pettersonfarias
instagram.com/cacosmetaforicos