Não entendi!

Falas difíceis e termos técnicos em demasia podem mais distanciar você do seu público do que criar um bom relacionamento entre vocês, sabia?

Não é forçando um comunicação altamente rebuscada que você vai mostrar para as pessoas que tem propriedade para falar sobre determinado assunto, pelo contrário, vai apenas soar arrogante, soberbo e distante.

Colocar-se em ponto de igualdade com a sua audiência, falando a sua língua e oferecendo conteúdos capazes de explicar o que é óbvio pra você, mas não é óbvio pra ela, é o que vai te levar a um nível mais profundo de conexão com o seu público. 

Seja acessível. Tire dúvidas. Fale fácil.

Estou no: https://www.instagram.com/pettersonfarias/

O que aprendemos com Gabriel García Márquez e podemos aplicar nas redes sociais

Em março de 1927 nascia um dos maiores escritores da América Latina e sua obra, até hoje, inspira leitores por todo o mundo. Gabriel García Márquez foi o grande responsável pelo meu amor literário e seus livros têm me ensinado bastante, inclusive, na minha produção de conteúdos digitais.

Abaixo, algumas dicas baseadas em sua vida e obra.

1 – Crie a sua Macondo!

2 – Gabito ouviu seus avós e deu no que deu…

As histórias dos avós de Gabo tiveram forte influência na sua obra e foi a partir dos relatos amorosos dos seus pais que o colombiano escreveu O Amor nos Tempos do Cólera.

Seja um bom ouvinte também! Escute as histórias, sugestões, críticas e depoimentos dos seus seguidores e aprenda com cada um deles. Só assim você vai produzir conteúdos cada vez mais úteis e relevantes para a sua audiência.

3 – O mundo inteiro se apaixonou pela Colômbia de Gabriel

Enquanto você acha que pra ter relevância na Internet é preciso ser global, a obra de García Márquez segue nos provando que o regionalismo, usado de forma leve e criativa, pode ser um ótimo aliado.

Não ignore seus costumes, sotaques e culturas. Ninguém melhor que você pra falar do lugar em que você vive, hein?!

O que aprendemos com o BBB 21 e podemos aplicar nas redes

4 – Comece agora e com o que tem!

Quando Gabo concluiu Cem Anos de Solidão, sua obra mais importante, o escritor não tinha dinheiro para enviar os originais ao seu editor. Enviou apenas metade do romance. Hoje, o livro já vendeu milhões de exemplares e foi traduzido para 36 línguas.

Entenda: o momento ideal nunca vai chegar e você precisa construir sua marca na Internet hoje mesmo.

5 – Paciência!

Gostou? Mais dicas lá no: https://www.instagram.com/pettersonfarias/
Obrigado por tanto, Gabo! 

Recebidinho é flerte!

Sim, meus senhores! Presentinho é bom e todo mundo gosta. Mas esse post não é sobre isso! É sobre empresas que enxergam envio de mimos para influenciadores como compromisso, quando, na verdade, não é.

Compromisso o influenciador tem é com empresas e negócios que assumem a parada, sabe? Com quem chama pra conversar, propõe criação colaborativa, discute contrapartidas, faz acordos, assina contratos, respeita o trabalho do outro. Aí sim é relacionamento sério, com cada uma das partes sabendo dos seus direitos e deveres e ambas com total liberdade pra cobrar ações, retornos, relatórios e afins.

Mimo, não… Mimo é flerte. Pode dar Match, como pode não dar. É beijo na balada. É aquela prospecção marota, não casamento. E enquanto empresa e influenciador não assumem namoro, cá entre nós, ninguém é obrigado a nada. Nem a marca de dar o que não quer nem o creator de fazer o que não deseja.

Acha estratégico presentear alguém? Tá errado, não. Mimos são ótimas portas de entrada pra um bom Marketing de Influência, pra relações verdadeiras e futuras entre negócios e produtores de conteúdos. O erro, amigos, está em pular etapas e cobrar antes de firmar compromissos, achando que sua marca é dona do conteúdo alheio por causa de uma caixinha bonita e recheada de produtos. Definitivamente, não é! 

Admira o trabalho de um influenciador digital e acha que ele pode contribuir para o seu negócio? Não viva de flertes eternos, antes que a sua concorrência o roube de você, chegue junto, peça em namoro e sejam felizes para sempre. 

Sou social media, não super-herói!

Pra começar, não estou dizendo que a sua intenção é, de fato, desvalorizar o trabalho alheio, mas, às vezes, é como soa, é como o mercado entende. 

Exigir que um profissional execute o trabalho de vários, como se ele fosse uma agência, uma lenda, uma máquina, e pior, querendo pagar o mínimo só vai te distanciar dos bons e comunicar ao mundo o quanto sua marca é mesquinha, leviana e desonesta nos seus processos.

Portanto, se você quer construir uma marca forte, interessante e honesta, respeitada por todos no mercado, cuide dos seus bastidores também. E jogue limpo!

Pague o quanto vale, o resultado é incrível! ❤️

Ps: este perfil também acredita em negociações, parcerias e descontos. Desde que ambos os lados estejam satisfeitos, claro.

Estou aqui: https://www.instagram.com/pettersonfarias/

Amigos, amigos, negócios à parte!

Aquele ditado, né?! Amigos, amigos, negócios à parte. E tá tudo bem!

Sei que frustra, muitas vezes, seus amigos e familiares serem os últimos a valorizar o seu trabalho na Internet, mas saiba, isso não acontece só com você e é mais comum do que se pensa. Por isso, ter a consciência de que seus conteúdos e negócios não são pra eles é essencial na hora de se comunicar nas redes sociais. 🤳🏾

👉🏿 PRODUZA PARA QUEM É SEU PÚBLICO-ALVO!
👉🏿 SATISFAÇA AS NECESSIDADES DE QUEM CONSOME E VALORIZA SEU TRABALHO!

Se seus amigos vão curtir, comentar, compartilhar, engajar, incrível!
Se não vão fazer nada disso, vida que segue!
O mais importante é e sempre será agradar e atingir o seu alvo: pessoas e negócios que são potenciais consumidores dos seus produtos e serviços, porque são eles os verdadeiros mantenedores da sua marca, dentro e fora da Internet. 😉

VENDE-SE!

Rede social é ambiente de entretenimento, inspiração, informação e diálogo também. Sua marca precisa estar disposta a entregar conteúdos que satisfaçam necessidades, tirem dúvidas, eduquem e entretenham as pessoas e, para além da mera venda, sejam capazes de atrair a atenção e criar relacionamentos profundos e duradouros com as pessoas.

Usar as mídias digitais APENAS para falar dos seus produtos e serviços, ao invés de gerar vendas, vai soar desespero e afastar ainda mais as pessoas do seu perfil.

👉🏾 NÃO SEJA UMA MARCA QUE OLHA APENAS PARA O PRÓPRIO UMBIGO 👈🏾

É possível falar sobre outros assuntos – o ideal é que sejam relacionados ao universo da marca, claro -; brincar com memes; conversar sobre os temas que estão bombando na Internet; sair do protagonismo e se comunicar da melhor maneira sem querer empurrar goela abaixo o que você tem pra vender a todo instante. 

Mais dicas como estas aqui: https://www.instagram.com/pettersonfarias/

Blogueirinha ela…

Porque se rede social é sobre dar também e não só receber, justo refletirmos sobre esses comportamentos, né?!

Blogueiragem para você, trabalho sério para o outro. E se, de algum modo, te interessa usufruir disso em prol do seu negócio, faça o seu dever de casa: incentive, agregue, impulsione, salve, comente, compartilhe. Atitudes como essas podem ajudar muito o negócio digital do seu colega, amigo, namorada e conhecido a crescer. 

Sabe o meme? CUIDADO!

“Ah, mas tá todo mundo brincando com o meme…”

👉🏾 AMIGO, VOCÊ NÃO É TODO MUNDO! 👈🏾

Sou o maior incentivador, vocês sabem, de marcas que fazem Marketing de Oportunidade nas redes sociais, ou seja, de negócios que aproveitam o contexto da Internet pra entrar nas rodinhas de conversas, dialogando sobre o assunto do momento e interagindo com seus seguidores de maneira atual, antenada e criativa.

Mas entenda: nem todo meme é pra você! É preciso critério na hora de escolher, entre os assuntos do momento, o que abordar. Mesmo que seja tentador “entrar na onda” só porque está todo mundo falando de determinado tema, pergunte-se antes:

❇️ Esse assunto dialoga com o universo da minha marca? 
❇️ Esse meme tem relação com a MISSÃO do meu conteúdo?
❇️ Minha audiência vai entender o meme?
❇️ A minha piada vai ofender alguém ou todo mundo vai rir junto?
❇️ O meme, de algum modo, pode contribuir na decisão de compra do meu público?

Se a resposta for SIM, vá em frente!
Se for NÃO, aquieta o facho. 

Estou no Instagram: https://www.instagram.com/pettersonfarias/

Conteúdos Digitais na Prática

A quarentena me fez escrever um livro. Conteúdos Digitais na Prática é o primeiro e-book que eu compartilho com o mundo: resultado não só de 4 meses de criação e correções infinitas, mas também de anos de experiência. ⁣⁣

Nele, você vai encontrar 50 dicas práticas sobre planejamento, produção de conteúdos, aplicativos e ferramentas úteis, referências literárias e comportamento web.⁣

Este livro é para:
– empreendedores e autônomos que querem divulgar suas marcas nas redes sociais;
– social medias e creators que querem desenvolver novas técnicas e habilidades;
– estudantes que querem aprender sobre Comunicação e Marketing na web;
– pessoas que ainda se sentem perdidas no mundo digital;

Nele, você vai encontrar:
– 50 dicas sobre texto, foto e vídeo que eu pratico diariamente nas minhas redes;
– técnicas, exemplos, aplicativos, ferramentas e indicações literárias;
– boas práticas para a construção de uma marca forte na Internet;

Neste e-book NÃO TEM:
– dicas de conteúdos e relacionamentos automatizados;
– foco em número de seguidores;
– promessa de crescimento meteórico;
– informações engessadas como “horários nobres”, “melhor rede social para vender” e “frequência de postagens”;

PEGUE O SEU!

O que os leitores falam do e-book Conteúdos Digitais na Prática…


O investimento é de $29,9. Pegue o seu!
Estou também no Instagram: https://www.instagram.com/pettersonfarias/

Antes de contratar influenciadores digitais, pergunte-se…

Marketing de Influência é uma ferramenta potente de conexão entre negócios e influenciadores em prol de interesses em comum, quer seja a propagação de uma ideia e/ou conversão e fidelização de clientes. Entre os benefícios que resultam desta estratégia estão: alcance e intimidade com novos públicos; fortalecimento da marca e dos seus posicionamentos; pertencimento a uma comunidade; ganho de confiança; e influência de consumo. 

Se antes, os receios de se acreditar e investir nessa área eram muitos, hoje os números atestam a necessidade de não se negligenciar seu valor. Segundo o Instituto Qualibest, numa pesquisa realizada em 2019, 71% dos internautas brasileiros que usam redes sociais segue creators, 63% deles gostam que os influencers recomendem produtos, enquanto que 50% costuma pesquisar opinião de influenciadores antes de comprar.

Veja outros insights da Pesquisa Qualibest sobre Influenciadores Digitais aqui

Mas ressalto, não há influência que salve produtos, conteúdos e marcas ruins. Logo, antes de buscar visibilidade para o seu negócio, analise se ele está pronto para esta exposição. Arrume primeiro a casa para só depois abrir suas portas e convidar as pessoas a entrarem; do modo contrário, sua ação vai atrair olhares para um mau momento da sua empresa e os danos podem ser enormes. 

Algumas perguntas te ajudam a entender se agora é hora da sua marca investir em Marketing de Influência. Responda sincera e atentamente. Se as respostas forem positivas, invista nos creators e alavanque seus negócios.

1 – Sua marca está preparada?

Antes de qualquer coisa: sua empresa está pronta para esta exposição? Há estoque suficiente para novas demandas? Seu ponto de venda está em bom estado, com equipe treinada e capacitada? A imagem do seu negócio está límpida ou ainda tem rasuras de uma crise recente?

Tudo precisa estar no seu devido lugar para recepcionar os novos seguidores e possíveis clientes da melhor maneira possível. Se algo ainda precisa ser ajustado, repense a ação e contrate creators só mais adiante.  

2 – Seus canais digitais estão prontos?

Não só seus produtos, serviços, atendimento e logística precisam estar devidamente organizados antes de uma campanha de influência, mas seus canais digitais também. Seus perfis no Instagram, Twitter, Facebook, WhatsApp – ou qualquer outra rede que você utilize – serão as verdadeiras portas de entrada para quem for impactado pelos publiposts. Já pensou causar má impressão assim logo de cara? Não dá, né?! 

Primeiro produza conteúdos de excelência nas suas mídias, depois parta para a divulgação.

3 – Seus objetivos estão claros?

Qual sua real intenção nessa campanha: alcançar novos públicos, engajar suas redes, posicionar-se sobre algum tema, fortalecer valores, criar intimidade com a audiência, lançar um produto, vender mais?

“Acho que um pouquinho de cada”. Se essa é a sua resposta, volte dez casas e foque no real objetivo da sua empresa, pra depois não reclamar de tempo e dinheiro jogados fora. 

4 – Você é capaz de fazer as melhores escolhas?

Não confunda preferências pessoais com as necessidades da sua marca e trate com seriedade a escolha de influenciadores digitais para sua campanha. Não é o amigo nem a blogueira que você ama, mas quem, de fato, compactua com seus valores e pode melhor traduzir os seus objetivos nas redes sociais. Se você não consegue manter esse distanciamento na hora de escolher, contrate alguém para fazer isso por você.

5 – Tem tempo disponível?

Agora que a sua campanha está no ar é que o trabalho se intensifica. Não pense que os resultados cairão do céu. Você precisa disponibilizar tempo para acompanhar e mensurar o andamento dos conteúdos que falam da sua marca via influenciadores digitais. E não só pra isso, mas para interagir também com a nova audiência que deve chegar. Se os seguidores recém-chegados perceberem seus canais como ambientes desinteressantes e pouco empenhados em dialogar, eles logo deixarão de te seguir.

6 – Tem dinheiro para investir?

Nem só de permuta vive o creator, tá?! Se não há capital disponível, nem comece. Aliás, muitas marcas, hoje em dia, preveem orçamentos para influenciadores ainda no planejamento estratégico de suas ações, ao invés de destinarem apenas “o que sobrou” para campanhas como estas, porque elas já entenderam que Marketing de Influência envolve gastos, sim. E nem falo somente de cachês, mas de custos como os de transporte, impulsionamentos de postagens, produção de kits, social medias, sistemas de monitoramento, entre outros.

7 – Há contexto?

Sua marca pode estar preparadíssima, com objetivos claros, tempo e dinheiro disponíveis, mas se não há clima para isto, melhor deixar para depois. Uma campanha de influência alienada, despregada da realidade, pode destruir o seu negócio. As redes sociais são muito sensíveis ao que acontece no mundo, portanto, todo bom conteúdo, necessariamente, deve ter coerência com o que está sendo dito, postado, dito e comentado naquele exato momento.

Bem, já presenciamos diversos influenciadores digitais sendo expostos por atitudes que contrariam uma realidade de pandemia e distanciamento social em 2020, né?! Então não preciso falar mais nada.

Estou no Instagram: https://www.instagram.com/pettersonfarias/