13 informações importantíssimas sobre o mercado de influência no Brasil

O Marketing de Influência, há tempos, já mostrou seu poder e, hoje, qualquer estratégia que negligencie essa disciplina corre sérios riscos de perder forças.

Os motivos são diversos: marcas sem capilaridade nas redes; consumidores incrédulos diante de estímulos publicitários; e comunidades digitais com lugar de destaque na decisão de compra de seus integrantes. Ou você nunca levou em consideração a opinião de amigos, familiares, pessoas que você admira antes de comprar algo? Pois é. 

Sobre esse tema, a Spark, empresa referência em Marketing de Influência, com o Instituto Qualibest acabaram de divulgar uma pesquisa que respondeu algumas perguntas acerca da receptividade e reação do público em relação aos influenciadores digitais e seus publiposts; e outros hábitos de consumo na web.

Reuni 13 itens valiosos da pesquisa nesse post. Espero que eles te ajudem nas tuas próximas ações com creators/influenciadores digitais. Boa leitura!

SOBRE INFLUÊNCIA

1 – 71% dos internautas brasileiros que usam redes sociais segue influenciadores

2 – 63%  gostam que os influenciadores recomendem produtos

3 – 50% costumam pesquisar opinião de influenciadores antes de comprar

4 – 72% discordam que a confiança em publipost cai

5 – 76% já compraram algo depois da indicação de um influenciador digital

6 – 78% dos seguidores considera importante que o influenciador identifique publis com hashtags como: #publi #ad #promo #publipost

7 – Onde os brasileiros mais seguem influenciadores:

> Youtube – 81%

> Instagram – 81%

> Facebook – 49%

> Twitter – 24%

8 – E porque seguem influenciadores digitais:

> 69% – os assuntos que eles abordam me interessam

> 56% – indicações e recomendações de produtos e serviços que eles dão 

> 54% – para me divertir/passar o tempo

> 50% – os tutoriais, construir coisas

> 43% – experiências pessoais deles/ seu dia a dia

> 33% – me ajuda a dominar os assuntos que eles abordam

> 28% – as viagens que fazem ou indicam

> 25% – para me desenvolver pessoal e/ou profissionalmente

HÁBITOS DE CONSUMO

9 – Maiores INTERESSES dos seguidores em conteúdos de influenciadores

> Humor/Comédia
> Entretenimento/Cultura
> Beleza
> Moda
> Viagem/Turismo
> Saúde/Fitness

10 – No Instagram, Feed e Stories têm igual preferência

> Feed: 48%
> Stories: 45%
> IGTV: 7%

11 – 41% dos seguidores só ativam o áudio dos stories se as imagens interessarem

12 – Itens mais comprados por indicação dos influenciadores (público de homens e mulheres juntos)

> Produtos de beleza (52%)
> Livros (42%)
> Moda e acessórios (42%)

13 – Sobre a CONFIANÇA do público

AUMENTA quando:

83% – o influenciador é natural e verdadeiro (mostra seu dia a dia como realmente é/defende seus ideais)

82% – Domina os assuntos que aborda

79% – Indica e avalia produtos com base em suas experiências reais

75% – Interage com seguidores

68% – Tem bom humor/é divertido

DIMINUI quando:

74% – faz comentários/atitudes racistas ou preconceituosas (no presente e no passado)

14 – Principais razões para unfollow em influenciadores digitais:

> Conteúdo deixou de ser relevante

> Ficou chato/sem graça

> Mudou de personalidade/temas abordados

> Parecia um vendedor, não era autêntico nas suas indicações de produtos/serviços

> Era preconceituoso

> Falava muito palavrão/ofendia as pessoas

Rafael Coca, da Spark, apresentando a pesquisa no Youpix Summit, em SP

De acordo com a Spark e Qualibest, a partir desses números, duas conclusões são importantíssimas:

1 – É fundamental ser natural e demonstrar domínio do assunto abordado!
2 – #publi não espanta seguidor nem retrai engajamento

Se você gostou, compartilhe com o coleguinha!
Estas e outras informações sobre redes sociais e comportamento web, tem aqui também: https://www.instagram.com/pettersonfarias/

Rede Social é mais sobre dar do que receber

Compartilhar o que você sabe nas redes sociais é também uma forma de mostrar ao público o que você tem a oferecer comercialmente, mas de modo sutil, sem ser invasivo e sem pesar a mão. Funciona, mais ou menos, como a amostra grátis no supermercado: ofereça algo de graça para que saibam que você existe, para mostrar porque você é melhor que a concorrência, para despertar o interesse e, por fim, gerar vendas. Já superamos a era da propaganda pela propaganda, em que discursos de autoafirmação, regados a muuuuuitos autoelogios, fisgavam as pessoas. Desacreditamos dessas abordagens, porque o tempo nos provou que muitas marcas, nesse processo, mentiram descaradamente, disfarçaram suas mazelas e nos enganaram. Hoje, se você quer ser visto como o melhor e o maior, como o mais gostoso e mais incrível, vai ter que provar!

Não à toa, o Marketing de Conteúdo – essa prática de dar algo antes de pedir, de doar antes de vender, que a web tanto ama – é também conhecido como marketing da gentileza, porque nele, egoístas não sobrevivem. Se você não está disposto a TROCAR, jamais te darão importância. Aquela lógica antiga de empresas estabelecendo relações meramente comerciais com seu público não existe mais. As redes sociais nos deram a oportunidade de atingir outras camadas, ir mais a fundo em nossas conexões, e quem continua na superfície, com medo de se molhar, não é visto, não se destaca e não usufrui dos benefícios de um relacionamento genuíno, verdadeiro e consistente.

O que te faz achar que chama mais atenção postagens insistentes sobre preços, liquidações e queimas de estoque do que conteúdos sobre os valores da marca, seus posicionamentos acerca de causas sociais importantes, dia a dia, memes (por que não?), dicas e informações que podem melhorar ainda mais a minha experiência com produto X e/ou serviço Y? 

Importante dizer: há espaço para tudo! Mas se você está propenso a entregar apenas propaganda na timeline alheia, sinto muito, vai continuar falando sozinho. Porque você não se colocou no lugar do consumidor nem sequer perguntou a ele o que ele gosta de consumir na web. Porque você só pensa no próprio umbigo. Porque você é um spam. Putz, você não entendeu nada da brincadeira. Volte dez casas e recomece o jogo!

Antes de enxergar Facebook, Instagram, Twitter ou qualquer outra rede como mero espaço de vendas, onde seu único esforço é impactar pessoas com publicidade, entenda a Internet como plataforma de DIÁLOGO, em que a audiência está muito mais interessada em se entreter, informar-se, educar-se e inspirar-se. Proporcione isso! Seus seguidores naturalmente, em contrapartida, se interessarão pelo que você tem a dizer e vender. 

Dentro da sua realidade (como empresa ou creator), elenque temáticas, paixões e experiências que podem ser úteis ao outro e transforme tudo em conteúdos digitais excelentes. Entregue o seu melhor, sem medo de ser copiado pela concorrência ou de lucrar menos porque entregou algo de graça. O resultado é incrível! Soe interessante e despretensioso e pare de sufocar as pessoas com estímulos de comunicação que só deixam mais claro seu desespero por lucros e nada mais. Do contrário, você vai continuar afastando seu público por ele não se sentir valorizado dentro da sua estratégia. ’Só me chamou pra sair porque tá a fim de me comer, quando o que eu quero é envolvimento, paixão e relacionamento sério’. Sim, consumidores pensam assim. Sim, consumidores atuais (nós, no caso) são egocêntricos, mimados, apaixonados, carentes, fiéis e se sentem donos das marcas que eles gostam. E se você não devolve esse envolvimento na mesma medida, como num namoro que esfriou, ele parte pra outra.

 

No instagram: instagram.com/pettersonfarias/