Variar é importante. Nas redes sociais também

Não só os escândalos do Facebook em 2018, mas as próprias discussões anteriores acerca dos seus algoritmos já nos provocavam a uma reflexão acerca do conteúdo postado em uma só rede: será que é mesmo prudente e saudável? O Joe Pulizzi fala muito disso nos seus livros, Marketing de Conteúdo Épico e Conteúdo S.A., sobre o cuidado de não entregarmos a um só canal todos nossos esforços, conteúdos e audiência. Mesmo conhecendo a realidade de pequenos empresários que gerenciam suas próprias contas ou empresas que não possuem equipes suficientes para lidar com mais de uma rede social, é necessário a gente refletir e levar em consideração todas essas reviravoltas que chegam sem avisar e, algumas vezes, nos obrigam a recomeçar do zero aqui na web.

Podcasts funcionam como um programa de rádio, a diferença é que você pode ouvir o que quiser e na hora que bem entender. Basta acessar, dar no play e/ou baixar o episódio. Um Milkshake Chamado Wanda é sobre entretenimento e cultura pop.

Quando o Twitter estava no auge, as pessoas começaram a migrar para o Facebook e Instagram. Snapchat no auge, os seguidores fugiram para os stories. Audiência incrível no Facebook, os números começam a cair. E isso não vai parar! Os ciclos digitais são muito mais curtos do que estávamos acostumados mesmo. O eterno aprendizado não é mero clichê, é realidade. A Internet empresta dessa geração a liquidez das coisas e leva muito a sério suas efemeridades. Não estou aqui para dizer se isso é bom ou ruim, mas que o sentimento é de sempre estar correndo atrás pra quem-sabe-talvez-de-repente-a-gente-consiga-dar-conta, ah, isso é! Quem influenciou ano passado, hoje a gente já nem lembra. Histórias que se esvaem em 24 horas. Memes de um só dia. ‘Que tiro foi esse?’ Passou e eu nem vi.

Pinterest é uma rede social de compartilhamento de fotos que funciona como um grande arquivo de inspirações. E a sua marca pode ter um perfil lá, como o Buzzfeed tem.

E as redes seguem o fluxo. E mudam quando querem. E não nos pedem opiniões. E a gente também muda. E nossas mudanças refletem nas redes. E por isso são chamadas Redes Sociais. E mudar é ótimo! A gente só não pode ficar refém. Seu cliente e sua marca também não. E uma das saídas talvez seja essa: não confiar todo nosso trabalho digital a uma só rede social. A Internet é vasta o suficiente para isso. Tente construir sua audiência e reputação em diversos canais. Não precisa abraçar o mundo, mas pergunte onde seus seguidores estão. Explore caminhos fora do combo ‘facebook/instagram’. Vá para o Spotify, faça podcasts, converse no Whatsapp, acesse o Linkedin, entre no Skoob, envie newsletter, fuja para o Pinterest. E se o seu público estiver no Tinder ou no Grindr, vá até lá também, ora, e sem preconceitos pra ser feliz.

A Rede Ovelha Negra, por exemplo, varia seus conteúdos produzindo newsletters mensais.

O Governo do Pará, um perfil de comunicação pública, explorando redes menos usuais como o Spotify

O Yummy Sensations, perfil no instagram comandado pela Ana Olívia, também produz e-books descomplicando a culinária e ajudando seus seguidores a cozinharem

Seu engajamento está baixo porque você não interage

Com quedas constantes de alcance em redes como Facebook e Instagram, muita gente me pergunta o que fazer. ‘Tenho me empenhado nas postagens, com conteúdo interessante e material bem produzido, mas parece que não adianta, meu engajamento continua caindo’. E é aí que mora o erro. Porque produzir boas postagens não basta, amigos! Isso é apenas parte do processo, sempre foi. Rede Social foi feita para se relacionar, trocar, dar e receber. Se depois de ajeitar, organizar e melhorar o seu perfil ou o do seu cliente/marca, você não põe a cara no sol, de nada adianta. É preciso terminar o serviço, indo à timeline pra curtir, comentar, compartilhar, seguir e/ou retuitar conteúdos alheios. Só assim você vai ser visto!

O Facebook do Nubank é um bom exemplo de interação

Gerar bom conteúdo e ficar paradinho na sua é tipo você, quando quer conquistar alguém, vestir a melhor roupa, passar o melhor perfume, ficar impecável e… continuar trancado em casa. Se você não chama pra sair, o crush não vai te notar. E assim se comportam algumas marcas na Internet, por achar que produzem conteúdos excelentes (e produzem mesmo!), elas não se dão o trabalho de sair do seu cantinho pra interagir e se relacionar com outras marcas e pessoas. Ou seja, infelizmente, produzem conteúdos somente para patrão ver.

Que tal começar hoje mesmo a exercitar essas atitudes nas suas redes?

1 – Dê atenção ao Direct

As mensagens enviadas via direct, DM, inbox e messenger são meios importantíssimos de se abrir um canal de conversação com o seu público. Se você ignora isso, você se fecha para grandes chances de engajamento, crescimento, prospecção e vendas;

Não seja como esse perfil que responde em maio perguntas de fevereiro

2 – Curta o conteúdo alheio

Postar no seu feed é só 50% do trabalho. A outra metade é interagir com os conteúdos dos seus clientes, parceiros, concorrentes (por que não?). Não seja egoísta: reserve um tempo para isso e aja de forma orgânica e personalizada, sem automatizar esse contato que pode, inclusive, te ajudar a ter bons insights sobre o que seu seguidor busca nas redes. Se for apenas pra deixar (obrigado) coraçõezinhos ou fazer comentários genéricos, melhor nem se dar o trabalho;

3 – Stalkeie!

Stalkear é o famigerado ‘fuçar a vida alheia’, mas aqui isso pode ser feito de forma honesta e sadia. rs Só stalkeando você vai ampliar seus horizontes, conhecer mais o seu público e interagir com possíveis novos seguidores também. Ao stalkear e curtir, por exemplo, posts de uma pessoa (com o perfil aberto) no Instagram, você se mostra, diz que você existe e caso haja interesse, ela pode acessar seu perfil de volta e até mesmo te seguir;

4 – Assista aos stories

Não ignore esses conteúdos. Assista aos stories alheios; veja quais são os assuntos mais recorrentes; interaja, responda aos estímulos, participe das enquetes; e note como as pessoas estão criando vídeos de 15 segundos. Agindo assim, quando você for criar os seus, o processo criativo será bem menos doloroso;

Inclusive, estou sempre por lá, só clicar aqui e assistir

5 – Não negue informações

Os dados relacionados ao seu negócio não podem ser um mistério. Democratize a informação e torne mais fácil a vida de quem deseja consumir seus produtos e serviços. Informações como geolocalização, preços, contato e horário de funcionamento, por exemplo, não podem estar escondidas, elas precisam, pelo contrário, ser reforçadas e estarem acessíveis. Mas se mesmo assim as pessoas perguntarem o que já foi dito, não deixe-as no vácuo, responda!

6 –  Indique algo que você gostou

Assim como você ama ser curtido, comentado e compartilhado, as outras pessoas também amam. E quantas vezes você fez isso? Quantas vezes você já indicou um perfil legal, um vídeo bacana ou um post de um blog maneiro (não que eu esteja te induzindo a algo)? Experimente a generosidade! A pessoa que você indicar certamente vai ficar muito mais propensa a interagir com você e a compartilhar seus conteúdos também;

Veja a lista dos meus perfis paraenses preferidos no Instagram

7 – Dê atenção aos seus seguidores!

A gente deseja tanto conquistar seguidores, amigos e fãs, mas quando isso acontece, nada é feito para que essa relação se mantenha. A pior coisa que você pode fazer nas suas redes é negligenciar quem te segue. Mesmo que você não consiga seguir de volta todo mundo, retribua o carinho, stalkeie de vez em quando, chame pelo nome, curta suas postagens, responda comentários, conheça, converse e crie um relacionamento duradouro. Só assim você vai ter seguidores fiéis e dispostos a te defender, te amar e te ajudar a crescer.

O clássico reply da Netflix ❤