6 escritores que amei conhecer recentemente

Foto: Petterson Farias

A gente já lê tão pouco que quando sobra tempo, quase não arriscamos escritores novos, por medo de se frustrar. Mas nos últimos dois anos, transitei entre novas escritas e me apaixonei por autores até então desconhecidos pra mim. 

Listei seis. E eu espero que eles chamem tua atenção também.

1 – Taylor Jenkins Reid

Taylor é amor recente. Recentíssimo mesmo. Recebi o livro dela pela TAG Inéditos, clube de leitura que assino, e demorei muito a lê-lo. Talvez porque o título não tenha me chamado tanta atenção. Até que uma seguidora disse pra eu ler e eu fiquei ridiculamente apaixonado. Que narrativa sensacional!

Os Sete Maridos de Evelyn Hugo descortina os bastidores de Hollywood, a partir da personagem Evelyn Hugo, uma lendária estrela do cinema desde os anos 50. Ao narrar sua vida, a atriz fala sobre casamentos arranjados, disputas, egos, Oscar, negociações, relação dos astros com paparazzi, homossexualidade e tudo que ronda o universo cinematográfico até os anos 2000. ⁣

Esse trabalho impecável de Taylor Jenkins foi finalista do Goodreads Choice Awards de 2017 na categoria Melhor Ficção Histórica; Best Book Of The Month, prêmio dado pelo clube de assinaturas americano Book of the Month ao melhor livro enviado no ano; e destaque na Must List da revista Entertainment Weekly.

Li Evelyn Hugo em novembro e já estou doido pra ler outras obras de Reid. Desde 2013, quando publicou seu primeiro trabalho, ‘Forever, Interrupted’, ela não sai das listas de mais vendidos. Além da carreira literária, Taylor já trabalhou com produção cinematográfica em Los Angeles e hoje, sério, é dona do meu coração.  

2 – Vitor Martins

Eu conheci o trabalho do Vitor Martins ano passado. Lembro de ficar apaixonadíssimo pelos personagens de Quinze Dias, seu primeiro livro, e de me sentir lindamente representado pela sua escrita LGBT, com gostosos toques de cultura pop e memes de internet. Isso sem falar de Felipe, protagonista gordo e gay. Tudo pra mim!

Mas amor de verdade mesmo veio com Um Milhão de Finais Felizes, uma das histórias mais fofas que já li. Vontade de esmagar um a um todos que passaram por essa história. Começando pelo autor. UMFF é livro pra terminar abraçadinho, querendo que ele dure muito mais.

Vitor Martins é ilustrador, youtuber e autor do Rio de Janeiro, que mora em São Paulo, e contribui fortemente para a diversidade na literatura brasileira atual. Mesmo sem saber, me apresentou uma série de jovens autores do Brasil, que se posicionam ao escrever e falam de quem sempre se viu tão pouco representado nos livros. E é por isso que sou mega fã. Torço muito pra que sua trajetória siga incrível e ele nos surpreenda ainda mais com novas histórias de amor e outros tantos finais felizes.

Assista ao meu encontro com Vitor Martins, em Belém

3 – Amita Trasi

Sem dúvida, Todas as Cores do Céu é uma das minhas leituras preferidas de 2019 e sua autora, mais um amorzinho pro meu coração. Amita Trasi nasceu e cresceu em Mumbai, na Índia. Trabalhou em várias corporações internacionais e hoje vive nos Estados Unidos. 

Todas As Cores do Céu, seu primeiro livro, chegou até mim também pela TAG Inéditos e conta a história de Mukta, criança indiana vítima de uma tradição que prostitui meninas que mal saíram da puberdade. A história nos mostra uma realidade em que as mulheres ainda são rechaçadas, humilhadas, escravizadas e alheias aos seus próprios sonhos. Mas fala também de família, amor e laços profundos. Foi uma leitura que me lembrou muito as crianças das obras de Khaled Hosseini, de quem eu sou fã demais. Embora triste, é uma narrativa linda do início ao fim.

4 – Tarryn Fisher

Tarryn eu ainda quero desbravar bem mais, embora nosso primeiro encontro já tenha sido muito legal. A autora apaixonada por histórias sobre vilãs de personalidade forte é uma das escritoras mais vendidas dos EUA, de acordo com grandes jornais como o New York Times. 

Minha admiração por ela nasceu por meio do seu livro Stalker, obra dinâmica, sem muitas firulas e rodeios, que fala de uma psicopata, dessas que se inserem em nosso dia a dia e invadem nosso terreno se escondendo atrás de sorrisos e boas intenções, quando na verdade só quer o nosso mal. O melhor dessa obra é justamente isso: mostra as atitudes de uma psicopata, Fig, e de um sociopata, o marido da vizinha, a partir de uma perspectiva de pessoas normais, sem problemas aparentes, o que angustia o leitor, que se questiona o tempo inteiro ‘quantos desses há perto de mim?’.

Num bate-papo, Fisher revelou de onde veio a inspiração para escrever Stalker. Disse ela: ‘eu vivenciei uma experiência parecida e o livro foi minha terapia’. Leia a entrevista clicando aqui.

Os 7 autores preferidos de Tarryn Fisher

5 – André Aciman

Se Aciman quisesse se casar comigo, eu aceitaria na hora. Que homem! Nascido no Egito, é ensaísta, romancista e pesquisador da literatura do século XVII. É doutor em Literatura Comparada por Harvard e autor de livros como Variações Enigma e Me Chame Pelo Seu Nome, uma das obras preferidas da minha vida.

Nota 10 no Cacos, eu lembro de terminar Me Chame Pelo Seu Nome absolutamente embasbacado. Nada mexia tanto comigo desde ‘Travessuras da Menina Má’ e ‘Precisamos Falar Sobre o Kevin’. Que história mais sensível, quente e incrível. Oliver e Elio, um descobrindo no corpo e na alma do outro todas as nuances de um amor potente, entre dois iguais, no interior da Itália. As descobertas sexuais; os altos e baixos de um coração confuso; o amor tímido; os diálogos de dois apaixonados; a viagem para Roma; aff… ❤

Aciman soube escrever uma obra delicada, mas sem ser clichê, que retrata lindamente o primeiro amor na vida de um gay: as dúvidas, os medos, as angústias, os sentimentos ditos nos gestos mais sutis, como o pé de um enterrado no pé do outro por baixo da mesa, absolutamente tudo, ilustração fiel do que um dia já vivemos ou ainda vamos viver. ‘Você vai me matar se parar’.

6 – Jarid Arraes

Redemoinho Em Dia Quente veio parar nas minhas mãos semana passada e eu estou a p a i x o n a d o por Jarid Arraes desde então. Que coisa, garota! Escrita fresquinha, literatura com sotaque, narrativa com as cores da minha infância. Um livro genuinamente brasileiro, com cara de norte e nordeste.

O amigo que me emprestou seu livro disse ‘você lê Jarid como se ela fosse uma amiga te contando histórias sentada na beira da calçada’. E é bem isso! Se eu fosse você, sentaria nessa calçada com a gente hoje mesmo.

Tomara que Jarid seja generosa com o mundo e nos deixe a par de toda sua poesia outras tantas vezes.

Se você gostou dessa lista, compartilhe com seus amigos e seguidores.
Além de falar sobre literatura neste blog, também estou no Cacos Metafóricos, lá no Instagram.
Até a próxima!
Boa leitura!

Entretenimento com diversidade: 8 dicas de conteúdos LGBT


No mês do Orgulho, eu compartilho com vocês algumas opções de diversão e entretenimento produzidas por pessoas gays, drags, trans, e que nos abrem o universo LGBT de um modo lúdico, engraçado, informativo, lindo e emocionante. Se você ainda não consumiu alguns desses conteúdos, a hora é agora!

1 – Literatura | O Fim do Armário

Bruno Bimbi é ativista e profundo conhecedor da história e da causa gay. Integrou a Federação LGBT que lutou pelo casamento igualitário na Argentina e é autor de O Fim do Armário. Topei com esse livro sem querer, procurando novidades na prateleira da livraria e trouxe pra casa. Belo acerto! Além de abordar camadas das nossas vidas de forma lúcida e didática, como as descobertas, o bullying, o próprio armário; Bimbi traz à tona aspectos políticos, narra como a homossexualidade é tratada em países do Oriente Médio, África, Europa e América; corrige conceitos e nos faz refletir sobre nosso papel nessa luta. Sim, é um livro empoderador (embora muitos rejeitem esse termo). Terminei bem feliz. A parte mais delicada é a que fala sobre as igrejas católica e evangélica, talvez você não goste do que vai ler lá! Mas é o que precisa ser dito e recomendo muitíssimo!

2 – Literatura | Garota Dinamarquesa

O livro é um recorte lindo e sensível da vida de uma mulher trans, que, ainda nos anos 20, enfrentou o medo, a falta de informação e o preconceito pra ser o que queria ser: Lili Elba. Inspirada em uma história real, a obra é maravilhosa, poética e poderosa. Pra mim, só peca nas partes demasiadamente descritivas, que quebram a narrativa, muitas vezes, apenas pra descrever o uniforme da atendente, por exemplo. Mas é lindo, curioso e arrebatador.

A Garota Dinamarquesa ganhou o prêmio Literário Lambda de 2000 na categoria de Ficção Transgênero e virou filme também.

3 – Literatura | Me Chame Pelo Seu Nome

‘É a primeira lembrança que tenho dele, e parece que ainda hoje consigo ouvi-lo. Até depois! Fecho os olhos e estou de volta à Itália, observando-o sair do táxi com uma camisa azul esvoaçante, óculos escuros, muita pele à mostra’. Esse livro do André Aciman me impactou demais. Nada mexia tanto comigo desde ‘Travessuras da Menina Má’ e ‘Precisamos Falar Sobre o Kevin’. Que história mais sensível, quente e incrível. Oliver e Elio, um descobrindo no corpo e na alma do outro todas as nuances de um amor potente, entre dois iguais, no interior da Itália. As sentimentalidades escondidas querendo explodir; as descobertas sexuais; os altos e baixos de um coração confuso; o amor tímido; os diálogos de dois apaixonados; a viagem para Roma; tudo isso fez de ‘Me Chame Pelo Seu Nome’ um dos livros mais lindos que já li. Está no meu Top 3, sem dúvida alguma. É uma obra delicada, mas sem ser clichê. Retrata lindamente o primeiro amor na vida de um gay: as dúvidas, os medos, as angústias, os sentimentos ditos nos gestos mais sutis, como o pé de um enterrado no pé do outro por baixo da mesa, absolutamente tudo, ilustração fiel do que um dia já vivemos ou ainda vamos viver. ‘Você vai me matar se parar’.

4 – Talent Show | Rupaul’s Drag Race

Confesso que demorei bastante até dar uma chance pra essa que é uma das disputas mais aclamadas pelos gays de todo o mundo. Mas depois que peguei gosto, já me peguei revendo todas as temporadas só pra matar a saudade dos lipsyncs (dublagens) que eu gosto. ❤ O reality consiste na disputa entre drags pelo título de próxima drag superstar da América. E em cada episódio, as competidoras participam de gincanas e provas onde são testadas suas habilidades em canto, dança, costura, talento, humor e personalidade. 

Em 11 temporadas, o programa não só abriu o universo drag para todos nós, como segue compartilhando histórias, acontecimentos, experiências, gírias, curiosidades, personagens, dificuldades e avanços de toda a comunidade LGBT mundo afora. Em meio à competição, a gente se familiariza com dores alheias, cria empatia, conhece aqueles que vieram antes da gente, entende muito mais nossas lutas e ainda se diverte! Não estranhe se você chorar e gargalhar no mesmo episódio, isso, não raro, acontece. 

5 – Série | Queer Eye

Disponível na Netflix, a nova versão da série Queer Eye reúne 5 gays talentosos (Fab Five), cada um na sua área, para organizar e transformar a vida de alguém. Em 3 temporadas, o time já conciliou relações, arrumou casas, reformou igrejas, aconselhou pessoas, renovou guarda-roupas e ajudou até gay a sair do armário. A cada episódio, diversos insights sobre moda, gastronomia, comportamento, cultura, design e cuidados pessoais. É mais um programa para se divertir, mas também se emocionar com lindas histórias de vida e seres humanos incríveis. 

6 – Série | Crônicas de San Francisco

A série, também disponível na Netflix, é baseada na obra literária de Armistead Maupin e traz para o protagonismo a comunidade LGBTQ que reside na pensão de Barbary Lane, espécie de porto seguro comandado pela transexual Anna Madrigal, em San Francisco. Seus episódios retratam lindamente histórias, romances, frustrações, intimidades e intrigas dos seus personagens e de forma super natural, passando longe de romantizações e caricaturas tão comuns em obras como esta. Sem generalizações, a trama aborda questões delicadas e discute diversos temas que envolvem pessoas queer. Uma das coisas que mais me agradaram na série foi o conflito de gerações, que ocorre sem, necessariamente, demonizar nenhuma das partes. O quarto episódio é um dos meus preferidos!

7 – Documentário | Revolta de Stonewall

Stonewall é um pub símbolo das primeiras lutas LGBT nos Estados Unidos. Numa época em que  a homossexualidade ainda era encarada como doença e os gays se escondiam em becos, ‘inferninhos’ e bares proibidos, Stonewall recebia toda essa gente marginalizada e, por isso, sofria constantes ataques e batidas da polícia de Nova York. Em junho de 1969, numa dessas abordagens, a comunidade ali presente, já cansada de sofrer repressões, resolveu reagir e encarar a polícia. A partir dali, aquelas pessoas compreenderam a força que tinham enquanto grupo e passaram a se organizar em encontros, manifestações e em outras lutas, que tempos depois desencadearam a Parada do Orgulho. 

Nesse doc, disponível no Youtube, há diversos testemunhos e relatos que ajudam a contar como tudo aconteceu. 

8 – Filme | Hoje eu Quero Voltar Sozinho

Filme brasileiro e super fofinho, que narra aquele amor juvenil que todos nós já tivemos um dia. Leonardo é um adolescente cego que encontra em Gabriel, seu novo colega de escola, a fonte de todas as suas descobertas amorosas e sexuais. Obra delicada, trilha ótima, narrativa gostosa, que fala sobre os medos, dilemas e sentimentos que permeiam a vida de muitos jovens gays e com as quais você vai se identificar com toda certeza. Filme pra ver e rever sempre!

 

Também estou no Instagram:
instagram.com/pettersonfarias
instagram.com/cacosmetaforicos