Quando não me posicionar nas redes sociais?

Vocês já devem ter me ouvido falar à exaustão sobre a importância de uma marca se posicionar nas redes, diante de assuntos ‘polêmicos’, temáticas sociais, entre outros. E reitero: estar ao lado daqueles que consomem seus produtos e serviços, compartilhando e defendendo suas causas, tais como FEMINISMO, DIVERSIDADE, CAUSA ANIMAL E AMBIENTAL, pode te levar a uma intimidade muito maior com seu público, indo além das relações meramente comerciais.

Algumas marcas já entenderam esse imperativo e têm estado cada vez mais atentas e ativas nestes processos, tanto no on quanto no Off-line. Mas aí alguém pergunta: é preciso se posicionar SEMPRE ou há também um momento de se calar?

Petterson, quando NÃO me posicionar nas redes?
Eis as respostas.

1 – Quando você não dominar o assunto

Sabe aquela história de ‘se não sabe como ajudar, não atrapalha’? Pois é. Antes de qualquer posicionamento em seu perfil, é importantíssimo você (ou a sua marca) se questionar sobre seu lugar de fala. Não se aproprie de causas alheias, não roube o protagonismo de quem domina o assunto e sabe do que está falando. 

Estude, informe-se, busque referências, procure entender. Enquanto você não dominar realmente a temática, abra espaço para que outras pessoas possam falar. E aprenda com elas! 

2 – Quando o tema não faz a menor diferença para o seu público

Eu sei, a Internet, às vezes, gera uma ansiedade na gente, criando em nós uma necessidade nociva de falar sobre tudo a toda hora, para estar em evidência. E isso pode te induzir ao erro. No desespero de se posicionar, você pode dar um tiro no próprio pé e ser obrigado a lidar com aquele sentimento de ‘eu poderia ter ficado calado’. 

Entenda: você não precisa falar sobre tudo e é prudente se calar de vez em quando. Nem todo assunto importa para seus clientes e seguidores. E há temas que não interferem em nada na decisão de compra dele, portanto, não gaste sua energia em vão.

‘E como eu sei quais temáticas são mais importantes para o meu público?’

A resposta é simples: interagindo com ele. Não fuja das conversas e interações e logo logo você vai saber tudo sobre as pessoas que interessam ao seu negócio.

3 – Quando você ainda é internamente mal resolvido em relação ao assunto

Se o teto é de vidro, por que atrair todos os olhares pra ele? Antes de reproduzir discursos vazios pelas redes sociais, em postagens lindas e empoderadas, resolva-se internamente. Sua comunicação e seus bastidores – processos internos, equipe e lógicas de consumo – precisam estar em consonância sempre. Não caia em contradição! 

Procure praticar o que você prega e só depois se posicione na web. Um bom posicionamento passa, inevitavelmente, pela coerência.

4 – Quando você, sinceramente, sabe que seu posicionamento é só pra ganhar likes

Não surfe numa onda que não é sua. As pessoas sabem quando você está se apropriando de um assunto só para se aproveitar dele e isso é leviano. Você não quer passar a imagem de uma marca desonesta, hipócrita e mentirosa para seus consumidores, não é?

Portanto, repense a ideia sempre que você, lá no fundo, tiver a consciência de que o seu posicionamento é apenas para ganhar likes e não para fazer alguma diferença no mundo.

 

Mais dicas como estas, aqui: https://www.instagram.com/pettersonfarias/

Belém além das Docas (outros rolês pela capital paraense)

Qual é a Belém que vai além dos cartões postais já tão disseminados em roteiros de viagens mundo afora? O que é mesmo que o turista pode desfrutar nessa cidade quatrocentona ainda tão cheia de charme e história? Entre tantos atrativos urbanos, ecológicos e culturais, reuni nesse post os meus rolês preferidos, hoje em dia, na cidade em que trabalho, vivo e amo. Espero que essa Belém do Pará também te encante.

1 – Fazer canoagem na Ilha das Onças

Que tal começar o dia praticando a canoagem na Baía do Guajará? O passeio da @caruanasvaa sai do Ver-o-Rio e te leva até a Ilha das Onças. Chegando lá, a parada é no Seu Celso, que oferece um café da manhã ribeirinho, com tapioca, cafezinho, pupunha e macaxeira; e um tour pela casa dele que é 100% sustentável.

Para o passeio, é preciso levar uma garrafa d’água, usar roupas leves, protetor solar e boné. Iniciantes podem praticar a remada e o valor por pessoa é R$ 60,00 (passeio) + R$ 15,00 (café da manhã)

Saída às 7h e retorno às 10h30. Para reservar seu passeio individual ou em grupo, entre no instagram dos Caruanas: @caruanasvaa

5 perguntas frequentes sobre canoagem

2 – Tomar café da manhã no Hotel Atrium Quinta de Pedras

A poucos passos do Mangal das Garças, na Praça do Arsenal/Cidade Velha, está um dos hotéis mais charmosos da cidade. O Atrium Quinta de Pedras já foi escola, já foi mosteiro, e hoje recebe turistas do mundo inteiro com uma arquitetura linda e intervenções artísticas de encher os olhos. No seu térreo, está o Restaurante Buiagu, aberto ao público para café da manhã, almoço e jantar.

O café da manhã é livre e custa $ 39,00 por pessoa.

 3 – Caminhar e pedalar no Parque do Utinga

O Parque do Utinga é uma Unidade de Conservação (UC) Estadual de Proteção Integral e está localizado na avenida João Paulo II. Lá, os visitantes encontram mais de 400 espécies de animais, 151 espécies de plantas, dois grandes lagos que abastecem 70% da população da Região Metropolitana de Belém e ainda podem realizar várias atividades esportivas, como o rappel, o tree climbing e o boia cross. É possível, ainda, aventurar-se em alguma das nove trilhas, caminhar, correr, andar de bicicleta ou simplesmente contemplar a natureza.

O aluguel de bikes custa R$ 10,00 (a hora);
Para programar trilhas e outras atividades guiadas, entre em contato com a: Amazônia Aventura
O Parque do Utinga tem entrada gratuita e funciona das 6h às 17h. É proibida a entrada de animais de estimação e não abre às terças-feiras;

4 – Atravessar para a Ilha Branca

Mais uma ilha na lista, dessa vez a do Murutucum, onde fica o Restaurante Ilha Branca: um lugar distante dos badalados estabelecimentos do Combu e tão bom quanto. Com espaço pra tomar banho, comer, beber, relaxar e até fazer umas fotos legais pras redes sociais, rs, o Ilha Branca é uma ótima opção pra quem quer passar um dia longe de tudo e em contato com a natureza.

Serviço
– Terça a sexta, apenas agendado;
– Finais de semana e feriados, acesso livre, 10h às 18h;
– Travessia pelo Espaço Náutico, ao lado da UFPA;
– Para agendar a lancha da travessia: (91) 98490-7652

Outros atrativos da Ilha do Combu

5 – Passear na Vila Container

O Vila Container é um complexo cultural estruturado em containers, com lojinhas, bares, cafés, lanchonetes e galerias, ali na avenida Magalhães Barata, 62, pertinho da Basílica Santuário Nossa Senhora de Nazaré. Um lugar bem legal pra tomar uma no finzinho de tarde. O acesso é gratuito.

Horários de funcionamento disponíveis no instagram: @vila.container

6 – Comer e beber no Bar do Parque

O Bar do Parque é um dos endereços mais tradicionais dessa cidade. Desde 1904, ele está ali do ladinho do Theatro da Paz e hoje, após reforma e sob nova administração, continua sendo um ponto de encontro charmosíssimo em Belém, uma boa pedida pra comer e beber.

Terça a quinta, 11h à 00h | Sexta, 11h às 2h | Sábado, 8h às 2h | Domingo, 8h à 00h

7 – Jantar na Casa do Saulo

Originalmente, a Casa do Saulo é de Carapanari. Suas portas dão para a imensidão do rio Tapajós e é uma experiência imperdível pra quem visita Santarém. Mas agora, suas janelas dão também para a Baía do Guajará, num espaço já bem conhecido dos turistas e paraenses, localizado ali no Complexo Feliz Lusitânia, no bairro da Cidade Velha.

Casa do Saulo das Onze Janelas funciona de terça a sábado e aos feriados, 11h à 00h; e domingo, 11h às 18h;

8 – Dançar e cantar na Casa de Dança Lambateria

A Lambateria é um acontecimento: casa de dança, ponto de encontro com amigos, karaokê de música paraense (paraokê) e lugar dedicado exclusivamente à cultura do Pará. Aberta de quinta a sábado, a partir das 19h, a casa tem em sua programação shows de artistas das mais variadas vertentes musicais. Vai por mim, você sai de lá com pelo menos dois refrões de Brega e alguns acordes de Guitarrada do Félix Robatto, o cara que comanda o espaço, impregnados na cabeça. É uma experiência sensacional pra quem quer vivenciar a arte feita no nosso Estado.

Localizada na rua 28 de Setembro, 1155, a Casa de Dança Lambateria é A OPÇÃO para encerrar esse seu rolê por Belém além das Docas. Espero que você tenha curtido!

Boa diversão! ;D