O que aprendemos com Sandy e Jr e podemos aplicar em nossas redes sociais

Dig-Dig-Joy, dig-joy-popoy, sim, trajetórias lindas não só despertam paixão e admiração, mas podem nos proporcionar grandes aprendizados. E a carreira de Sandy e Jr está repleta deles. ⁣

Neste post, 9 insights sobre vida e música de uns dos maiores artistas pop do Brasil que podemos aplicar em nossas redes sociais. Vem brincar comigo!

1 – Nada é por acaso…

Então planeje-se. Tenha em mente sua missão, seus objetivos e produza conteúdos com antecedência. Mas se lembre que as redes sociais são imprevisíveis: mudança de planos é normal e você vai ter que rebolar.

2 – Somos mais que um só produto

Além da carreira musical, Sandy e Jr fizeram novela, filme, série, documentário, programa de auditório, carreira internacional… E assim como eles, você não se resume a um produto/serviço. Pense grande e enxergue as mil possibilidades que sua marca tem. 

 3 – Seus conteúdos refletem seus estágios de vida

Aniversário do Tatu na infância, Beijo é Bom na adolescência e mais tarde… enrosca o meu pescoço, dá um beijo no meu queixo e geme. Redes sociais amam narrativas humanas, então foque em contar as suas aos seguidores.

Compartilhe vivências, altos e baixos, imperfeições, inspirações e processos.

4 – Não traia sua privacidade

Não se traia em busca de likes e seguidores. Você não precisa expor o que não quer pra chamar atenção nas redes sociais. No auge da carreira, quando todo mundo insistia em saber sobre a vida privada da dupla, Sandy e Jr foram firmes em pautar na música sua relação com a imprensa e com o público.

5 – Seja inesquecível

 Milhares de conteúdos competem com os seus pelo turu turu apaixonado da audiência na web. Então descubra o que é interessante, bonito, relevante e mágico para ela e entregue posts inesquecíveis, capazes de prender, dominar os sentimentos e acelerar o batimento.

6 – Identidade

Um dos últimos álbuns da dupla foi também um dos mais autorais da carreira deles. Nele, Sandy e Jr imprimiram traços, letras e sonoridades que representavam suas identidades naquele momento.

“Mas todo mundo já falou sobre isso na internet”… Abandone esse discurso, olhe para dentro, confie nas suas habilidades e no seu DNA. Se for honesto consigo mesmo, com certeza, você vai encontrar um jeito único de criar e produzir conteúdos digitais. 

7 – Vamos construir uma ponte em nós

Rede social tem esse nome não é por acaso. Quanto mais você se conecta com seus seguidores, parceiros e clientes, mais sucesso você terá nas suas estratégias. Não seja egoísta nem orgulhoso. Esteja aberto ao relacionamento, olhe para os lados e dê aos outros tudo aquilo que você ama receber.

8 – Era uma vez…

Histórias bem contadas são irresistíveis. Não importa o tempo! A carreira de Sandy e Jr está aí para provar. Então pare de falar somente dos seus produtos e serviços nas redes e converse sobre pessoas, bastidores, processos. Envolva seu público com boas histórias, não importa se pra entreter, educar, inspirar, sorrir ou chorar… o coração é quem sabe.

9 – Saiba a hora de parar

Em 2007, Sandy e Jr anunciaram o fim da dupla e a última turnê de celebração de quase 2 décadas de sucesso. Seu produto é fantástico, sua editoria é divertida e seu bordão, juro, é muito legal. Mas você pesa a mão e tudo que é demais enjoa.

A audiência gosta de novidades e surpreendê-la, vez ou outra, é imperativo. Portanto, não confie nas fórmulas repetidas e crie novidades sempre! Você não vai querer ser dono de um hit só, né?!

Este post é dedicado a todos os fãs da dupla. ❤
Veja aqui também: https://www.instagram.com/p/CCqmn_bhbq-/

Kit Creator

Esse post é pra você, amigo creator/influenciador digital, que produz conteúdos para as redes sociais e deseja profissionalizar ainda mais seu trabalho e se relacionar melhor com as marcas do mercado.

⁣Tome nota desses itens básicos que, na maioria das vezes, são pedidos ou exigidos pelas empresas para contratação:⁣

1 – MÍDIA KIT: nada mais que um portfólio, um currículo visualmente chamativo, com o resumo dos seus números, trabalhos, estatísticas, redes sociais e o que você tem a oferecer ao mercado (publipost, cocriação, cobertura de eventos, consultoria, entre outros). O meu é em pdf, mas tá valendo em vídeo, powerpoint, imagem… como quiser.

2 – MEI: seja uma pessoa jurídica. Muitas marcas, as maiores, sobretudo, só contratam com esta condição;

3 – CONTA JURÍDICA: abra também uma conta jurídica no banco. Algumas dessas marcas só pagam cachês com esta condição;

4 – FOTOS E BIO ATUALIZADAS: dois elementos que sempre vão te pedir para usar em materiais de divulgação de lives, eventos, palestras, por exemplo.

Minha dica bônus é: se possível, contrate bons profissionais (fotógrafo, contador, designer) para executar estes trabalhos, caso você não tenha habilidade pra desenvolvê-los. ⁣Você não quer se profissionalizar fazendo trabalho de amador, né?!

LEIA TAMBÉM: Sobre Creators e outras aflições
8 critérios para avaliar e contratar influenciadores
Antes de contratar influenciadores, pergunte-se

Dicas como esta, você encontra em: https://www.instagram.com/pettersonfarias/

Livros pra ler rapidinho

Obras literárias pra ler rapidinho: descomplicadas, pequenas e de fácil leitura. Reuni nove delas nessa lista. Espero que elas te incentivem a ler mais daqui em diante.

Jarid Arraes roubou meu coração com esse livro de contos sobre as entranhas lindas do Brasil do norte e nordeste. Resumiu muito da minha infância nessa obra leve, cheia de sotaques e extraordinária.

Primeiro livro da Djamila Ribeiro que eu li. Didático, reflexivo e necessário! Mas pra ler de peito aberto, sem medo de se colocar à prova e de rever alguns preconceitos enraizados na gente.

Por que e como compramos? Esse livro de Neuromarketing do Martin Lindstrom te responde. Indico também o Brandwashed do mesmo autor.

O mundo de uma criança trans em uma história leve e de muito amor, pra que a gente treine o nosso olhar, crie empatia e entenda, de uma vez por todas, que as vidas dessas pessoas importam e são lindas também.

LEIA TAMBÉM: Hábitos que me ajudaram a ler mais

Livrinho bom pra chorar, vai por mim. Família, namoro, casamento, morte, tudo junto. Li muito recentemente e leria outra vez. É bom demais!

Homens, mais um livro pra ler sem ficar na defensiva: Solnit é pra consumir sem medo se reparar e se corrigir.

Aforismos e metáforas gostosos de se ler. Num dia, tu lês tudo!

Ó Djamila Ribeiro aqui outra vez. Indicaria também o “Na Minha Pele”, do Lázaro Ramos.

Homossexualidade, primeiros amores, internet, cultura pop e protagonista gente como a gente. Livro de estreia do Vitor Martins que eu amo muito.

Meus 10 livros preferidos

A resenha completa de todos estes livros e outras dicas literárias, eu dou aqui: https://www.instagram.com/cacosmetaforicos/

Bata na porta antes de entrar (nas redes sociais também)

Perfil do outro nas redes sociais é como a casa dele: não entre sem ser convidado, muito menos sem pedir permissão. E talvez você já tenha esse entendimento e se comporte direitinho no Instagram, Twitter ou Facebook, por exemplo, mas é uma pena que no WhatsApp você ponha tudo a perder, por causa de comportamentos invasivos, que não respeitam a privacidade de ninguém. 

Se nessa que é uma das últimas fronteiras entre seu produto/serviço e seu consumidor, suas atitudes atormentam o sossego alheio, você até pode ter acertado inúmeras vezes, ainda assim, tudo que vai conseguir é irritar as pessoas que interessam ao seu negócio.

LEIA: 25 dicas para sua marca se relacionar melhor no WhatsApp

Logo, só interaja com seu público no WhatsApp se ele autorizar. Mesmo que seja um cliente assíduo ou um seguidor fiel, antes de qualquer coisa, pergunte se pode. E mesmo que ele autorize, respeite horários; só o inclua em grupos se ele quiser; seja sucinto, direto; não abuse de listas de transmissão; envie conteúdos criativos e não propagandas em demasia; seja útil e relevante; e, acima de tudo, esteja disponível para quando ele precisar. 

Rede Social é via de mão dupla e enquanto seu foco for apenas nos seus interesses, sem disposição para ouvir e satisfazer o outro, a relevância e o sucesso que sua marca tanto procura, vão continuar se escondendo de vocês. Vai por mim!  

Estas e outras dicas, você encontra aqui: https://www.instagram.com/pettersonfarias/

Pare de botar preço no trabalho alheio

Ei, amigo, pare de tentar botar preço no meu trabalho, por gentileza!⁣

Combinemos assim: eu não apareço na sua empresa tentando comprar seu produto/serviço mais valioso por dois reais e você não tenta pagar pelo meu trabalho o que ele não vale, beleza? ⁣

Reflita comigo: se você deseja contratar um creator ou social media, é porque você acredita que ele pode te ajudar. Então não estrague essa relação promissora já no primeiro contato. Aqui do outro lado, há pessoas que investem em graduação, qualificação, equipamentos, estrutura, tecnologia, equipe – sim, igualzinho a você -, itens que custam caro e que, infelizmente, ainda não são pagos com “mimos”. Só nós sabemos o quanto custa a nossa produção de conteúdos, logo, confie no que a gente te diz.⁣

Porque se você, marca/empresário/cliente, tenta à exaustão barganhar, tirar proveito de negociações que, ao invés de buscarem descontos, só diminuem o valor do outro, sinto muito, mas o máximo que você vai conseguir é demonstrar seu jeito leviano e desonesto de tentar ganhar em cima do negócio alheio. E isso, não digo que pra todo mundo, mas pra muita gente é feio demais. ⁣

Permuta, recebidinho, desconto, abatimento, parcelamento NUNCA (vou repetir: NUNCA) foram palavras proibidas em nosso vocabulário, mas compreenda e respeite quando te dissermos o quanto o nosso trabalho vale. Esse é um bom começo em qualquer conversa, viu? Vai por mim.⁣

Com amor, ⁣
Petterson.

Seu tempo não é o tempo do outro

‘Sua urgência não é responsabilidade minha’. Você é capaz de entender isto? 

Sei bem no que resulta o uso contínuo das redes sociais: entre outros efeitos colaterais, a ansiedade e o imediatismo, quase sempre, se estabelecem como verdadeiros maestros das nossas relações digitais, confundindo papéis, invadindo privacidades, potencializando egoísmos e causando enormes incômodos em trocas que deveriam ser pautadas, antes de qualquer coisa, no respeito, na empatia e no cuidado com o outro.

E se isto não é certo, precisamos – me incluindo aqui, tá?! – nos educar, né?! Começando pelo real entendimento de que seu tempo é diferente do meu e eu nada tenho a ver com seus deadlines curtíssismos e prazos pra ontem. Arque com as consequências do seu (não) planejamento sem causar terror e pânico nas pessoas, por gentileza. 

Se o orçamento é pra quarta-feira, que tal solicitá-lo, no mínimo, dois dias antes? Se a criação precisa ser aprovada até dia 15, legal entrar em contato semanas antes, hein?! Só lembrou do trabalho no domingo à noite? Espere amanhecer pra ligar em dia e horário comerciais, o mundo não vai acabar nas próximas 12 horas, juro. Saiba esperar a resposta no WhatsApp, no direct, no e-mail. O mundo não gira no seu entorno e as pessoas não vivem inertes apenas à espera do seu próximo contato: elas também têm suas demandas, agonias, famílias, seus processos, seus ócios, seu TEMPO. 

Não é porque você está pagando que tem direito de ser abusivo. Dê espaço, não sufoque. Trate as pessoas como você gostaria de ser tratado, pra que a relação (de trabalho, de namoro, de amizade) seja satisfatória pra ambos os lados, na Internet também. 

Óbvio que há exceções. E eu NÃO estou falando delas. Meu papo é com pessoas e marcas insistente e recorrentemente disponíveis APENAS quando é pra olhar pros seus próprios umbigos. Deus e o mundo estão vendo…

Por fim, eu entendo: contatos apressados irão acontecer. Orçamentos, conversas, telefonemas e reuniões PRA AGORA, eventualmente, serão inevitáveis. Portanto, quando isso acontecer, aprenda a valorizar e agradecer quem foi gentil e empático com você. Feedbacks como, por exemplo, ‘VOCÊ NÃO FOI APROVADO, MAS AGRADEÇO A DISPONIBILIDADE’ e ‘OBRIGADO POR RESPONDER’ não fazem cair o braço de ninguém. E ó, garanto, quem está do outro lado vai ficar muito feliz. 

Agora respira, caralho!
Bora junto! Beijos ❤

https://www.instagram.com/pettersonfarias/

Sobre creators e outras aflições

Se você cria conteúdos para as redes sociais, quer seja para sua marca, seu contratante, quer seja para seus perfis pessoais, você, com certeza, já sentiu uma leve angústia ao se deparar com algumas aflições recorrentes na vida de creators/social medias.

Caso este seja o seu caso, deixa eu te falar.

1 – COMECE COM O QUE TEM!

Essa coisa de esperar o momento ideal para produzir, em que você vai estar mais preparado, munido com os melhores equipamentos, assessoria, equipe, entre outros, só vai te atrapalhar, porque quer saber de uma coisa? Esse dia pode nunca chegar. Perca o medo e comece hoje mesmo com aquilo que você tem em mãos. Mais do que do perfeito, a Internet gosta do FEITO. Clichezão, eu sei, mas um clichê real oficial. Com o resultado dos primeiros trabalhos, eu garanto, você vai se aperfeiçoar, enriquecer seu arsenal de produção e profissionalizar seus conteúdos digitais.

2 – A VERGONHA SÓ VAI EMBORA POSTANDO

Esse receio e esse medo são mais comuns do que você pensa, mas eles não podem te imobilizar. A má notícia é que a vergonha só vai embora gravando, fazendo, postando. Já a boa é que isso acontece assim que as primeiras interações positivas chegam. Então aí vão algumas dicas: comece gravando só pra você e melhore aquilo que te desagrada; depois entregue seus conteúdos para quem você confia, namorado, esposa, melhores amigos, família; por fim, com mais autoconfiança, abra para o público suas publicações e acolha o seu Feedback.

3 – QUEM DISSE QUE HÁ FÓRMULAS?

Procurar insistentemente por respostas prontas sobre conteúdos digitais só vai te afastar de um trabalho único, consistente e genuíno. Se as redes sociais são suficientemente democráticas e abertas ao diferente, use isto a seu favor. Ao invés de ficar o tempo inteiro buscando por horários nobres, número de seguidores necessário para ser influenciador, melhores hashtags para ‘bombar’, frequência ideal de postagens, foque em se relacionar com a sua audiência, a partir dos seus conhecimentos, talentos, paixões e habilidades, e em entregar o que ela pede. Nesse processo, com toda certeza, você vai encontrar sua missão, sua verdade e suas próprias fórmulas.

4 – FAÇA SENTIDO PARA QUEM TE SEGUE

Redes Sociais, entenda, não são sobre agradar o mundo inteiro, mas sobre conquistar quem importa. Portanto, descubra, entenda, conheça e se relacione verdadeiramente com o público que você quer ver consumindo seus conteúdos, mensagens, produtos e serviços. E aprenda a ignorar o que qualquer pessoa fora desse nicho, dessa sua comunidade, pensa acerca do que você produz e entrega na Internet. Seus conteúdos são para os seus seguidores. Os outros são os outros.

5 – VÃO TE COPIAR!

Já internalize isso para não sofrer mais adiante. E quando acontecer, abstraia, só copiam o que é bom.

Agora é com você. Boa jornada!
Estas e outras dicas, você também encontra aqui: https://www.instagram.com/pettersonfarias/

8 critérios para avaliar e contratar influenciadores digitais

Dificilmente você vai alcançar seus objetivos se continuar achando que a única forma de selecionar influenciadores digitais é pelo número de seguidores. Quando falamos em influência, há outros tantos aspectos que devem ser levados em consideração, sempre a partir dos seus interesses e da posição que diferentes creators ocupam no mercado e na mente dos seus seguidores.

Nesse post, há oito critérios importantes que podem te ajudar a comparar perfis e, por fim, escolher os que mais combinam com as suas estratégias.

1 – HISTÓRICO

Sua audiência tem memória, hein?! Então, por mais que aquele creator esteja num bom momento, não deixe de pesquisar sua história, para que não haja surpresas indesejadas adiante. Com que outras marcas ele já se conectou? Seu trabalho foi satisfatório? Como a sua comunidade reagiu? O que falam dele nos bastidores do mercado? Ele já vivenciou alguma crise? E como se saiu dela?

Além das redes do influenciador, analise também seu MÍDIA KIT – portfólio que resume sua carreira, por meio de números, ações, premiações, estatísticas e marcas com as quais já trabalhou. Com estas informações, com certeza você terá mais clareza na hora de escolher com quem trabalhar.

2 – ALCANCE

Embora a gente sempre reafirme que números isolados não definem a relevância de ninguém, eles, ainda assim, nos dão indicativos do alcance – número de pessoas impactadas – do Criador de Conteúdo. Portanto, se seu intuito é aparecer para mais pessoas e conquistar novos públicos, dados como quantidade de seguidores, visualizações, inscritos e impressões, entre outros, devem ser levados em consideração.

3 – RELEVÂNCIA

Repare se os valores, discursos e propósitos do influenciador se identificam com os da sua marca. De nada adianta alcançar milhares de pessoas se não há compatibilidade no que vocês dizem, se não há conexão entre os universos de vocês. Tudo que for dito precisa estar uniforme e soar realmente relevante para a sua audiência. 

4 – PODER CRIATIVO

Se você acha que ações com criadores de conteúdo se resumem a “recebidinhos” e publiposts focados em elogios a marcas, saiba que o Marketing de Influência vai além. Mas para ser bem-sucedido nesta investida, você precisa investigar o potencial criativo de cada influenciador. Quanto ele pode contribuir NO DESENVOLVIMENTO da ação, ao invés de receber um conteúdo pronto apenas para reproduzi-lo? Quais ideias ele pode trazer para o projeto a partir das suas vivências e da relação com a sua audiência? 

Entenda, quanto mais DNA deste creator na ação, mais parecida ela é com o conteúdo que ele entrega cotidianamente, logo, mais leve e natural sua estratégia aparente ser. E lembre-se: ninguém fala melhor com a comunidade deste influenciador do que ele mesmo, portanto, sua contribuição será sempre muito bem-vinda.

LEIA TAMBÉM
ANTES DE CONTRATAR INFLUENCIADORES DIGITAIS, PERGUNTE-SE…

5 – PODER EXECUTIVO

Como criar não basta, é importante também levar em consideração o potencial executivo do creator. Se suas ideias são boas, quantas delas este influenciador consegue colocar em prática? Quais suas habilidades? É bom contador de histórias? Edita vídeos, fotografa, escreve bem? Quais destas habilidades podem contribuir para sua narrativa?

6 – CONTEÚDO

Que narrativas este influenciador transmite ao seu público no dia a dia? Que ideias, propósitos e valores ele transforma em conteúdos e com que objetivos? Suas publicações fazem a diferença na vida de alguém, satisfazem necessidades e interesses alheios ou não passam de postagens “lifestyle” desinteressantes que não agregam nada a ninguém?

Se este profissional não é capaz de mover vidas por meio do seu trabalho, dificilmente ele fará isto ao se conectar com a sua marca.

7 – RESSONÂNCIA/ENGAJAMENTO

Até onde chega a voz do influenciador? Suas mensagens voam longe ou não passam da esquina? Ressonância diz respeito à capacidade que ele tem de repercutir e engajar. Dependendo dos seus objetivos, não é nada interessante contratar alguém que, mesmo alcançando muita gente, não tem capacidade suficiente de fazer alguém interagir, dar likes, comentar, compartilhar, ou seja, engajar um conteúdo. 

Como a audiência enxerga este influenciador: ele é ouvido? Quanto de efetividade e qualidade há nos comentários, não apenas das suas postagens comuns, mas também de seus publiposts? As pessoas, de fato, reparam na marca que ele divulga ou ela passa e ninguém vê? Quantas outras pessoas e marcas relevantes daquele nicho, mercado, cidade e/ou região o seguem?

8 – PONTOS DELICADOS E POLÊMICOS

Se você está a fim de disseminar uma ideia, propagar um conceito, posicionar-se diante do mercado e dos seus consumidores de maneira satisfatória, dificilmente você vai querer se aliar com alguém que rompe com tudo que você, enquanto marca, acredita, estou certo?

Pois bem, então, por fim, analise minuciosamente os pontos, temas e conteúdos sensíveis que podem promover polêmicas desnecessárias e gerar crises para o seu negócio. Se o fardo for grande demais, melhor partir para outra, a não ser que você queira dispensar tempo, dinheiro e paciência para apagar incêndios na Internet. 

Bom trabalho!

Estas e outras dicas, você encontra aqui também: https://www.instagram.com/pettersonfarias/

Antes de contratar influenciadores digitais, pergunte-se…

Marketing de Influência é uma ferramenta potente de conexão entre negócios e influenciadores em prol de interesses em comum, quer seja a propagação de uma ideia e/ou conversão e fidelização de clientes. Entre os benefícios que resultam desta estratégia estão: alcance e intimidade com novos públicos; fortalecimento da marca e dos seus posicionamentos; pertencimento a uma comunidade; ganho de confiança; e influência de consumo. 

Se antes, os receios de se acreditar e investir nessa área eram muitos, hoje os números atestam a necessidade de não se negligenciar seu valor. Segundo o Instituto Qualibest, numa pesquisa realizada em 2019, 71% dos internautas brasileiros que usam redes sociais segue creators, 63% deles gostam que os influencers recomendem produtos, enquanto que 50% costuma pesquisar opinião de influenciadores antes de comprar.

Veja outros insights da Pesquisa Qualibest sobre Influenciadores Digitais aqui

Mas ressalto, não há influência que salve produtos, conteúdos e marcas ruins. Logo, antes de buscar visibilidade para o seu negócio, analise se ele está pronto para esta exposição. Arrume primeiro a casa para só depois abrir suas portas e convidar as pessoas a entrarem; do modo contrário, sua ação vai atrair olhares para um mau momento da sua empresa e os danos podem ser enormes. 

Algumas perguntas te ajudam a entender se agora é hora da sua marca investir em Marketing de Influência. Responda sincera e atentamente. Se as respostas forem positivas, invista nos creators e alavanque seus negócios.

1 – Sua marca está preparada?

Antes de qualquer coisa: sua empresa está pronta para esta exposição? Há estoque suficiente para novas demandas? Seu ponto de venda está em bom estado, com equipe treinada e capacitada? A imagem do seu negócio está límpida ou ainda tem rasuras de uma crise recente?

Tudo precisa estar no seu devido lugar para recepcionar os novos seguidores e possíveis clientes da melhor maneira possível. Se algo ainda precisa ser ajustado, repense a ação e contrate creators só mais adiante.  

2 – Seus canais digitais estão prontos?

Não só seus produtos, serviços, atendimento e logística precisam estar devidamente organizados antes de uma campanha de influência, mas seus canais digitais também. Seus perfis no Instagram, Twitter, Facebook, WhatsApp – ou qualquer outra rede que você utilize – serão as verdadeiras portas de entrada para quem for impactado pelos publiposts. Já pensou causar má impressão assim logo de cara? Não dá, né?! 

Primeiro produza conteúdos de excelência nas suas mídias, depois parta para a divulgação.

3 – Seus objetivos estão claros?

Qual sua real intenção nessa campanha: alcançar novos públicos, engajar suas redes, posicionar-se sobre algum tema, fortalecer valores, criar intimidade com a audiência, lançar um produto, vender mais?

“Acho que um pouquinho de cada”. Se essa é a sua resposta, volte dez casas e foque no real objetivo da sua empresa, pra depois não reclamar de tempo e dinheiro jogados fora. 

4 – Você é capaz de fazer as melhores escolhas?

Não confunda preferências pessoais com as necessidades da sua marca e trate com seriedade a escolha de influenciadores digitais para sua campanha. Não é o amigo nem a blogueira que você ama, mas quem, de fato, compactua com seus valores e pode melhor traduzir os seus objetivos nas redes sociais. Se você não consegue manter esse distanciamento na hora de escolher, contrate alguém para fazer isso por você.

5 – Tem tempo disponível?

Agora que a sua campanha está no ar é que o trabalho se intensifica. Não pense que os resultados cairão do céu. Você precisa disponibilizar tempo para acompanhar e mensurar o andamento dos conteúdos que falam da sua marca via influenciadores digitais. E não só pra isso, mas para interagir também com a nova audiência que deve chegar. Se os seguidores recém-chegados perceberem seus canais como ambientes desinteressantes e pouco empenhados em dialogar, eles logo deixarão de te seguir.

6 – Tem dinheiro para investir?

Nem só de permuta vive o creator, tá?! Se não há capital disponível, nem comece. Aliás, muitas marcas, hoje em dia, preveem orçamentos para influenciadores ainda no planejamento estratégico de suas ações, ao invés de destinarem apenas “o que sobrou” para campanhas como estas, porque elas já entenderam que Marketing de Influência envolve gastos, sim. E nem falo somente de cachês, mas de custos como os de transporte, impulsionamentos de postagens, produção de kits, social medias, sistemas de monitoramento, entre outros.

7 – Há contexto?

Sua marca pode estar preparadíssima, com objetivos claros, tempo e dinheiro disponíveis, mas se não há clima para isto, melhor deixar para depois. Uma campanha de influência alienada, despregada da realidade, pode destruir o seu negócio. As redes sociais são muito sensíveis ao que acontece no mundo, portanto, todo bom conteúdo, necessariamente, deve ter coerência com o que está sendo dito, postado, dito e comentado naquele exato momento.

Bem, já presenciamos diversos influenciadores digitais sendo expostos por atitudes que contrariam uma realidade de pandemia e distanciamento social em 2020, né?! Então não preciso falar mais nada.

Estou no Instagram: https://www.instagram.com/pettersonfarias/

#UmaDicaPorDia | Março e Abril

#UmaDicaPorDia é uma editoria dos meus stories. Nela, até o fim do ano, compartilharei 366 dicas práticas sobre Marketing Digital. E aqui no blog, a cada dois meses, um resumo destas dicas pra facilitar a vida de quem precisa delas.

Abaixo, 15 dicas de março e abril. Pra acompanhar diariamente, só seguir: @pettersonfarias

Para ler as dicas de JANEIRO E FEVEREIRO, clique aqui 

1 – Não prometa demais

Sabe aquela pessoa que almeja ser autoridade na web, mas nunca chega a lugar nenhum com suas postagens? Você já deve ter se frustrado com aquele perfil que está sempre prometendo algo consistente, porém sem sair da superfície, né?! Com certeza você está se lembrando de algum nesse momento, inclusive. 

Essa frustração é resultado de sucessivas expectativas quebradas. O que é uma pena, porque isto é tudo que você não deve fazer na Internet.  Vá direto ao ponto e, de fato, entregue conteúdo. Não seja um creator/marca que vive de descumprir o que prometeu – e quando cumpre, entrega algo aquém do que o público espera. 

Surpreender é a chave! 

Criar suspense, revelar uma prévia de algo que você está produzindo, brincar com “teaser” (conteúdos de expectativa) pode ser legal, sim, desde que você faça isso com moderação, muito de vez em quando. Você lida com uma audiência imediatista e ansiosa, que odeia esperar. Se há algo para ser dito ou mostrado, faça isto agora. Não perca a chance de fisgar a atenção dos seus seguidores por estar prometendo demais.  

2 – O que é engajamento?

Engajamento ou Envolvimento diz respeito a toda e qualquer atitude que a sua audiência toma em relação às suas publicações, como CURTIR, COMENTAR, RETUÍTAR, SALVAR, ENVIAR, entre outros. Quando ela não consome passivamente sua postagem e dá deedbacks, dizemos que seu post foi engajado. 

Engajar a publicação que você gosta, ou seja, retribuir por meio de ações práticas, é importante, portanto, porque só assim o ALGORITMO das redes sociais entende que aquela publicação é útil, necessária, relevante e pertinente para os seguidores. Logo, ele vai entrega-la para mais e mais pessoas. Caso contrário, haverá restrição do seu ALCANCE – outra métrica da qual já falamos aqui.

3 – Atualize seu LINKEDIN

Esta é uma rede social valiosa para você que quer se tornar autoridade na web ou até mesmo buscar novas oportunidades de emprego. Linkedin trata-se de um canal voltado para trocas profissionais entre marcas e pessoas que pertencem a um determinado nicho de mercado.

Lá, você pode expor os detalhes da sua carreira, seu histórico, assim como suas habilidades e competências, além de se atualizar sobre as novidades da sua área, por meio do Feed de Notícias. 

Mas ó, não seja como a maioria dos usuários, que atualiza seus perfis no Linkedin apenas quando perde o emprego. Mantenha-o sempre novo e atrativo, hein?!

Meu perfil: https://www.linkedin.com/in/pettersonfarias/

4 – Estatísticas Twitter

Se você também cria no Twitter, saiba como acessar as estatísticas mensais dos seus conteúdos:

Passo 1: no canto esquerdo da tela do seu computador, clique em MORE

Passo 2: clique em ANALYTICS

No campo superior da tela, o Twitter mostra seus números atuais comparados ao mês anterior

Por fim, ele mostra suas principais estatísticas mensais

5 – Creator, tenha Mídia Kit/CNPJ

Se você produz conteúdos na Internet e deseja trabalhar com grandes marcas, comece profissionalizando não só suas publicações, mas também sua relação com estas empresas. 

Caso ainda não tenha um Mídia Kit, com o resumo do seu trabalho, números de engajamento e experiências nas redes, crie um agora mesmo. Em formato pdf mesmo, reuna o que de melhor você tem para mostrar às marcas e dê ainda mais argumentos para que elas te contratem. 

Por fim, ao lidar com grandes empresas, necessariamente, você terá que emitir notas fiscais e, muitas vezes, ter conta jurídica para receber seus cachês. Portanto, abra uma MEI e se transforme em Pessoa Jurídica.

6 – Playlists Spotify

Crie vínculos emocionais com a sua audiência por meio do Spotify também. De acordo com o universo do seu negócio, faça playlists para momentos diferentes da vida do seu seguidor. 

Se sua marca está vinculada ao bem-estar e vida saudável, crie, por exemplo, listas de música para pedalar, correr, meditar. Se você é do ramo de eventos, ofereça playlists para aniversários, chás de bebê, ensaios fotográficos, entre outros. Use a música para se aproximar ainda mais do seu público-alvo.

LEIA TAMBÉM

Conteúdos Digitais em tempos de coronavirus

Marcas, não soltem a mão de ninguém

Dicas para aperfeiçoar suas lives

7 – Banco de Imagens

Honesto da sua parte comprar imagens de bancos da Internet, ao invés de usá-las sem permissão em suas postagens. Mas muito cuidado nesse processo: escolha sempre fotografias que retratem fielmente a realidade do seu público, para que haja identificação imediata e não cause distanciamento. 

Se seu público é nortista, por exemplo, não opte por esteriótipos sulistas. Bom conteúdo tem que atrair, sobretudo, visualmente. De preferência, escolha imagens feitas por profissionais da sua cidade e região; eles, com certeza, retratarão de forma fidedigna o que você quer comunicar.

8 – Perguntas Frequentes

Naqueles dias de baixa criatividade, sabe como criar conteúdos assertivos para o seu público? Transforme as perguntas frequentes dele em postagens para suas redes sociais. 

Liste todas as dúvidas que você costuma responder quase que diariamente e reproduza em posts criativos no seu feed, nos stories, na timeline do Twitter, numa lista de transmissão do WhatsApp, entre outros. 

9 – Cardápio e horário de funcionamento

No primeiro tópico afirmei: seguidor é imediatista e ansioso. Aqui eu acrescento: e, muitas vezes, compra por impulso. Caso você ainda esteja nessa de esconder suas informações, tais como cardápio e horário de funcionamento, saiba que não há impulso que resista às tentativas frustradas de obter detalhes para uma compra e não achá-los.

Deixe à mostra seu cardápio – com valores, óbvio – não só em postagens no feed, mas também nos DESTAQUES do seu perfil. 

E seu HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO precisa estar na sua bio, assim como em legendas de posts periodicamente. Ajude as pessoas a consumirem seus produtos e serviços, por favor!

10 – Antes de perguntar, procure

E quando você estiver na posição de consumidor de informações nas redes sociais, antes de perguntar, procure a resposta entre postagens e destaques do perfil da marca. As chances são enormes de sua dúvida já ter sido respondida. Seja empático e facilite a vida de quem previu sua necessidade e procurou saná-la alguns conteúdos atrás.

11 – Quando não legendar meus posts?

Jamais, nunca, em hipótese nenhuma. Prender a atenção de alguém é uma das coisas mais difíceis na Internet, por que desperdiça-la fazendo postagens sem texto de apoio? Não jogue nenhuma oportunidade de conversar com a sua audiência fora. Deixe de preguiça e capriche nas legendas. 

12 – Evite o autoelogio

Sei que você tem um produto/serviço formidável em mãos e não duvido da competência da sua marca, mas dizer isso a todo instante nas redes soa vazio, pedante e desinteressante para o seu público. Se quer reforçar os benefícios, características e valores do seu negócio, foque em atender da melhor forma sua clientela, para que ela fale POR você. 

Opiniões de amigos, familiares, influenciadores e formadores de opinião são levadas muito mais em consideração do que estímulos de marca. Então transforme a necessidade de dizer que o que você vende é incrível em disponibilidade para oferecer um atendimento impecável para quem te consome. Sem dúvidas, os feedbacks e depoimentos alheios serão a sua melhor estratégia de marketing.

Mas ó, testemunhais devem ser espontâneos. Não seja invasivo nem mendigue elogios. 

13 – Influenciadores e Permutas

Se você deseja trabalhar com influenciadores digitais e quer pagá-los com permuta – divulgação em troca de produtos do seu portfólio -, não há nada de errado nisso, mas desde que seja legal para ambos os lados. E para que ninguém saia perdendo nessa, é importantíssimo entender de PROPORÇÃO.

Antes de sugerir qualquer troca, investigue os valores praticados pelo influenciador e aproxime a quantidade de produtos ao preço dele, para que a permuta seja justa. Não seja leviano ao enviar recebidinho para a casa de um creator, por exemplo, cujo custo para você não passa de 10 reais querendo que ele dê visibilidade a você, quando há outras marcas dispostas a pagar, de forma justa, por essa divulgação.

Tenho certeza que você não aceitaria alguém aparecer em seu estabelecimento oferecendo 5 reais em troca do produto mais caro da sua loja, né? Portanto, não aja assim com os outros. 

14 – Leia: Brandwashed e Marketing 4.0

Brandwashed

Martin Lindstrom é um especialista em Neuromarketing e profundo conhecedor dos estímulos de marcas e comportamentos do consumidor. No livro, ele fala da relação entre sexo, nostalgia, fama e consumo. E traz diversos insights sobre como marcas podem lançar mão de gatilhos mentais para atrair clientes, assim como, por outro lado, abre os olhos do leitor para as armadilhas invisíveis que nos rodeiam e nos fazem comprar mais.⁣

⁣Embora traga alguns dados defasados, já que traz informações de 10, 15 anos atrás, o livro, ainda assim, é ótimo.

Marketing 4.0

Nesse livro, Philip Kotler fala de nós. Dos nossos anseios enquanto consumidores, seres humanos e cidadãos da internet (netzens). Vai na ferida de empresas e marcas que, ainda muito imersas no padrão antiquado de se promover, acabam por meter os pés pelas mãos ao se relacionar na contemporaneidade. Mesmo pra quem é leigo, não é um livro difícil de se ler, repito: ele é sobre nós.

O autor rompe com a ideia equivocada de que o digital acabou com o tradicional: ele acredita na coexistência, no Marketing Onicanal, numa comunicação alinhada e uniforme, não focada apenas em vendas, mas, sobretudo, na conquista de seguidores apaixonados e consumidores fiéis.

LEIA TAMBÉM

15 insights sobre STORIES

O que aprendemos sobre redes sociais em dias de coronavirus

15 – #Hashtags

Hashtags, para começar, são palavras-chave que etiquetam seus conteúdos. Como se você fosse engavetar seus posts e, em cada gaveta, você tivesse que colocar uma palavra para identificar o que está guardado ali. Para isto que elas servem. Logo, hashtags não são frases extensas nem parágrafos. Quanto mais simples e de fácil leitura elas forem, mais fácil acharão o seu conteúdo nesse universo infinito de gavetas que é a Internet. 

Além de usar hashtags que, de fato, tenham relação com o que você posta, é interessante você criar a sua. Pense em algo que resuma bem seu universo ou transforme o nome de uma editoria sua em tag. Massifique-a entre seus seguidores e os incentive a usá-la! Em 2020, a #UmaDicaPorDia – editoria dos meus stories e desse post que você lê agora – é a minha hashtag principal, aquela que, imediatamente, os seguidores associam a mim. 

Ah, e siga hashtags do seu interesse no Instagram. Sim, isso mesmo, assim como você segue marcas e pessoas, é possível segui-las e receber conteúdos relacionados a elas. 

Gostou? Há dicas diárias como estas lá nos meus stories. Só seguir: https://www.instagram.com/pettersonfarias/